Indústria foi setor que teve maior saldo positivo (355) | Foto: Claudinho Coradini/JP

O mês de setembro foi o primeiro com maior número de saldo positivo de empregos em Piracicaba com a retomada da economia até agora. Segundo dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), o nono mês do ano fechou com + 448 empregos. Esse é o segundo maior número positivo de contratações neste ano, ficando atrás de fevereiro, anterior à pandemia, que registrou saldo positivo de 591.


Desde julho, os dados do Caged apontam saldos positivos de contratações na cidade, mas o de setembro é o crescimento mais significativo até então. Em julho foram 77 novas vagas e agosto, 94. Entretanto, no acumulado de janeiro a setembro, o saldo de empregos em Piracicaba está negativo (- 2.428).


O setor que registrou o maior saldo positivo de empregos em setembro foi a indústria, que fechou com + 355. Em seguida vem o comércio, com +193. “O aumento se deve a recuperação da área da indústria e do comércio. Vemos admissões no comércio varejista e se deve principalmente aos contratos temporários, de fim de ano. Na indústria, o maior índice de contratações está na área de fabricação de máquinas e equipamentos, principalmente os profissionais que atuam como alimentador de linha de produção, onde mostra recuperação”, analisa o responsável pela Semtre (Secretaria Municipal de Trabalho e Renda), Evandro Evangelista.

Já o setor de agropecuária, único com saldo positivo no acumulado de janeiro a setembro (+650), fechou setembro em negativo (- 135). Evangelista lembra que essa queda se deu pela sazonalidade da cana-de-açúcar. “Normalmente usados na colheita da cana e que são empregos temporários e sazonais”, comenta.

LEIA MAIS:


O setor com maior saldo negativo de empregos no acumulado de janeiro a setembro é o de serviços (- 1.998), que mostrou tímida recuperação em setembro, com +20. No nono mês deste ano, o setor de construção fechou com +15. Esse valor se dá, conforme explica o economista e professor da EEP (Escola de Engenharia de Piracicaba), Francisco Crocomo, pela informalidade que vigora na construção civil.

Na análise de Crocomo, o impacto da pandemia nas vagas de emprego dificilmente possibilitará que a cidade feche o ano com saldo positivo. O economista observa que em outubro e novembro ainda são registradas mais contratações do que demissões. Porém, em dezembro, pelos trabalhos temporários de fim de ano, as demissões superam as contratações. “Não dá para precisar, mas, estimando, esse ano deve ficar em mil negativo. A não ser que aconteça algo muito diferente”, avalia.

Andressa Mota

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

2 − um =