Piracicabano lança disco autoral de samba | Foto: Gabriel Albertini

No seu 1º disco de samba autoral, o piracicabano Deco Romani circulou entre São Paulo, Rio de Janeiro e um estúdio local, entre julho e agosto, para gravar “Letras, Melodias e Amigos”, mas ele não é novato: já escreveu músicas para Nelson Sargento e Xande de Pilares, para citar alguns. E figurões do gênero marcam presença com vozes e instrumentos no seu disco de samba disponível gratuitamente no streaming em https://tratore.ffm.to/decoromani.

São 16 faixas, todas autorais, com muitos convidados e parceiros de composição. Deco, para este disco de samba, compôs junto a Wanderley Monteiro, Moacyr Luz, Alessandro Penezzi, Xande de Pilares, Chico Alves e Tuco Pellegrino. Entre os convidados estão nomes como Prettos, Sereno, Renato da Rocinha, João Martins, Comunidade Quilombola, Thadeu e Xande Campos, Juca Ferreira, entre outros.

A capa do disco faz reverência às influências de Deco. A decoração faz parte de um bar em Piracicaba, ele conta. “Apesar de ouvir muito Pixinguinha, Martinho da Vila e Alcione, eles já estavam em posters do bar. Não foi produzido nada para a foto, já tinha escolhido este local. As artes são de Laerte do Vinil, que doou ao estabelecimento”.

Uma das músicas é composição de Deco com Xande de Pilares, que ganhou fama nacional por ter integrado o grupo Revelação. “Comecei a fazer um samba e o refrão que tinha a pegada do Xande. Enviei para ele, que gostou, e completamos juntos a canção”. A música ainda tem arranjos de Rildo Hora, que há anos trabalha com Zeca Pagodinho.

Outro samba que Deco destaque é “Rasguei a etiqueta”, composta junto ao piracicabano Alessandro Penezzi. “Ele me mandou a melodia e coloquei
a letra. É um samba para cima, com um arranjo interessante do também piracicabano Vitor Casagrande, com cavaquinho em afinação de bandolim e violão de sete cordas”.

“Palco e madrugada” é um samba escrito 100% por Deco, composto há tempos e enfim gravado. “Fiz para uma amiga que cantava na noite, a Zazá, que já não está entre nós. Um samba que fala sobre viver da música e que faz do palco o seu acalanto”. Na versão do álbum, ele divide os vocais com Sereno, do Fundo de Quintal, outro nome do alto escalão da música popular. “É o inventor do instrumento tantan, presente em todas as rodas de samba. Um ícone”.

Erick Tedesco

Leia Mais
Persona – André Romani: Entre o samba e a tecnologia
Adoniran, 110 anos: compositor marcou o samba com sotaque paulistano
Capa JP 15/10/2020

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

doze + 19 =