Deputado estadual Douglas Garcia (PL) teriam compilado mais de mil nomes (Foto: Agência Alesp)

Ao menos quatro piracicabanos tiveram seus dados divulgados ontem em uma lista que reúne supostos antifascistas. O documento é atribuído ao deputado estadual Douglas Garcia (PSL). O dossiê tem quase mil nomes e teria sido compilado pelo parlamentar, que é aliado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

O gabinete do deputado descartou ontem a autoria da lista e atribuiu a denúncia a um grupo terrorista que age na Capital. Em nota, a assessoria de Garcia enviou frases que ele publicou em suas redes sociais sobre o assunto.

“Descobri que terroristas antifas (antifascistas) estão divulgando uma lista com nomes de pessoas, afirmando que seria a mesma que eu recebi e entreguei às autoridades competentes. Isso é mais uma tramoia destes criminosos para me atacar, visto que nunca divulguei nada, bem ao contrário destes canalhas que expuseram toda minha família nas redes sociais”, afirmou o deputado, que é membro da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de São Paulo.

Além de nome, fotos e endereços de perfis nas redes sociais, o documento traz informações como endereços de casa, de trabalho, telefones e números de documentos das pessoas listadas.

Uma das pessoas incluídas no dossiê e que teve suas informações divulgadas disse que a lista já tinha sido feita há alguns anos.

Ao ser questionado se fazia parte de algum movimento antifascista, o rapaz – que pediu para não ter o nome divulgado – disse que o antifascismo não é uma organização e nem um grupo específico e sim, uma ação.

“Se você tem qualquer atitude que vá contra o nosso cenário atual, de trazer conforto a quem a sociedade abandona, é uma atitude antifascista. Trabalho solidário, ação social, uma coberta que você entrega a alguém com frio na rua é uma ação antifascista”, comentou.

Em relação a divulgação de informações pessoais e da imagem sem autorização, ele falou que o documento foi feito apenas por ‘achismo’ e que não tem nenhuma metodologia séria.

Ele acrescentou que as pessoas citadas no dossiê irão procurar seus direitos perante o deputado. “Estamos organizando uma ação coletiva, afinal foi um crime, e pelo que constatamos o deputado é investigado por mais crimes (fake news), mentiras que podem gerar ódio entre os cidadãos menos esclarecidos”, completou.

Beto Silva

Mauro Adamoli

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

cinco × três =