Placa Mercosul pode ser colocada em sete lugares na cidade | Foto: Amanda Vieira/JP

A implantação da nova PIV (Placas de Identificação Veicular) no padrão Mercosul, a chamada Placa Mercosul, é um impasse antigo. Foi pela primeira vez tratada ente os países fundadores do bloco (Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai) em 1994, mas começou a sair do papel em meados da década de 2010. No Brasil, ‘emplacou’ somente em janeiro deste ano, com diversas ressalvas (não é obrigatória, com exceções) e, diferente do procedimento de venda e emplacamento do modelo cinza, a Placa Mercosul é fabricada por distintas empresas, amparadas pela sistema de livre concorrência.

O preço para ter a nova placa Mercosul, então, é flutuante. O Detran SP (Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo) recomenda um preço máximo de R$ R$ 138,24, no entanto, em Piracicaba o valor é de até 52% mais caro.

O Jornal de Piracicaba pesquisou o valor do emplacamento nas sete empresas credenciadas como estampadoras de placas PIV (padrão Mercosul). O valor, para carro, ônibus ou caminhões varia de R$ 160 a R$ 210, montante que o cidadão deve arcar apenas para comprar e instalar as placas dianteira e traseira. Já para moto, o valor varia entre R$ 110 a 120.

As novas placas são obrigatórias nas seguintes situações: primeiro emplacamento, alteração de categoria (exemplo: alteração de veículo particular para categoria aluguel), mudança de município ou de estado, ocorrências de furto, roubo, extravio ou dano e segunda placa traseira.

O processo implica em fazer uma nova documentação, que pode ser feita por conta, no Poupatempo da Praça José Bonifácio, ou por meio de um despachante.

A troca da placa cinza para o padrão Mercosul também é permitida de maneira voluntária, por isso, veículos emplacados no padrão cinza poderão continuar a circular até o seu sucateamento sem necessidade de substituição, caso não se enquadrem nas circunstâncias acima.

Raul Dias Pacheco, proprietário da Placas Veiculares Pira, explica que antes da pessoa se dirigir a alguma empresa de emplacamento, é preciso tirar o CRV (Certificado de Registro de Veículo) junto ao Detran (pelo Poupatempo ou despachante), em que o cidadão terá um custo de aproximadamente R$ 280.

“É neste processo que será regado uma nova documentação, autorizando o veículo a ter a placa padrão Mercosul, com um QR code e com os caracteres alfanuméricos”. Como ressalta Pacheco, não se pode escolher os caracteres, será gerado automaticamente pelo Detran, e o QR Code substitui o lacre.

Com a flexibilização da pandemia, a instalação das placas do Mercosul já acontecem no espaço das empresas credenciadas pelo Detran SP.

Erick Tedesco

Leia mais
Câmara terá plataforma para envio de ideias de projetos de lei
Decreto autoriza uso de piscina e área de lazer em condomínios
Câmara vai analisar revisão da LOM entregue em fevereiro

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

2 × 2 =