PM Ambiental deflagra operação e ações de conscientização na semana do Meio Ambiente

Serão utilizados 1,3 mil policiais militares no Estado (Divulgação)

A Polícia Militar Ambiental iniciou a Operação Meio Ambiente Mais Seguro, que começou na última segunda-feira (1º) e terminará nesta sexta-feira (5), quando se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente e Dia da Ecologia. O foco será voltado às ações do policiamento ambiental para a proteção dos recursos naturais (queimadas, pesca predatória, desmatamento, garimpagem, caça e tráfico de animais silvestres, tráfico de drogas, porte ilegal de arma, entre outros).

No Estado, serão utilizados 1,3 mil policiais militares, 450 viaturas terrestres e 40 viaturas náuticas.

Nas unidades, também serão realizam atividades de educação, conscientização e preservação do Meio Ambiente.

LIVE

A corporação programou uma live pela página da PM Ambiental no Facebook (pmambientalsp) que ocorrerá também nesta sexta-feira (5), às 10h com o tema “Os desafios enfrentados na Preservação e Fiscalização Ambiental” com Oficiais de Polícia Militar especialistas em direito ambiental do Comando do Policiamento Ambiental e participação do jornalista Heródoto Barbeiro.

De acordo com a PM Ambiental, o enfoque será a conscientização do cidadão e sua

importância na preservação do meio ambiente para qualidade de vida e saúde.

AVES LIBERTADAS

No último sábado (30), os policiais ambientais realizaram a soltura na natureza de 14 aves silvestres, sendo uma delas da espécie graúna, que está na lista de extinção. As aves eram mantidas em cativeiro nas casas de ois homens da mesma família, em Anhumas. Eles foram multados, no total, em R$ 11,5 mil.

Os policiais encontraram três aves silvestres que estavam expostas ao sol em cativeiro (gaiolas individuais) em uma das residências, e na segunda, 11 aves silvestres em cativeiro (gaiolas individuais), penduradas em um corredor lateral de acesso ao quintal da residência, todas as aves estavam com água e comida à disposição, abrigadas das intempéries, sem anilhas ou outro tipo de identificação, porém nenhum dos dois homens teriam autorização do órgão ambiental competente para mantê-las.

Para um dos abordados, os policiais elaboraram auto de infração ambiental com sanção de multa simples, valorado em R$ 1,5 mil e o outro a R$ 10 mil, pois a multa foi agravada devido a ave silvestre graúna estar ameaçada de extinção.

Cristiani Azanha

[email protected]