Por que a descoberta do marca-passo revolucionou a história da cardiologia?

Inventado no início do século XX, o marca-passo possibilitou melhor qualidade de vida aos pacientes cardiopatas. (Foto: Divulgação / MF Press Global )

Entre as maiores causas de morte no Brasil estão as doenças cardiovasculares, que de acordo com um levantamento da Sociedade Brasileira de Cardiologia são responsáveis por 30% dos óbitos registrados no país. O cenário poderia ser ainda mais preocupante caso um aparelho pequeno, porém trivial, não fosse inventado: o marca-passo.  

Antes do advento do aparelho, não haviam tratamentos disponíveis e viáveis para pessoas que necessitavam de estimulação cardíaca elétrica artificial. Portanto, o coração que perdia capacidade de batimento e tinha frequência cardíaca afetada ou reduzida, resultava em um paciente extremamente sintomático. 

O médico cardiologista Dr. Roberto Yano explica que naquela época era comum que pacientes evoluíssem para os distúrbios na condução elétrica, com bloqueios graves no coração, que tinham expressiva redução na expectativa de vida e uma piora no bem-estar do paciente que era condicionado a conviver com sintomas de baixo débito cardíaco como cansaço, tontura, desmaios, falta de ar e até morte.

“Essa invenção revolucionou a medicina, pois os pacientes com batimentos lentos decorrentes de bloqueios graves na corrente elétrica cardíaca, simplesmente não sobreviviam. Aqueles que não morriam, passavam a ter sintomas muito limitantes além de qualidade de vida muito ruim. Existem casos de pessoas que ganharam mais de 60 anos de sobrevida por implantar o marca-passo em tempo hábil”, analisa o cardiologista.   

Afinal, como funciona o marca-passo? 

O Dr. Roberto Yano explica que o coração, para se contrair, precisa de correntes elétricas produzidas pelas células do coração para estimular o batimento cardíaco. Essas células estão localizadas em pontos estratégicos do coração como o nó sinusal e o nó atrioventricular.

 A problemática surge visto que há doenças como o infarto, insuficiência cardíaca, Doença de Chagas, ou o próprio envelhecimento do sistema de condução, por exemplo, que fazem com que essas células que produzem as correntes elétricas fiquem doentes.  

“Quando o sistema de condução está doente, ocorre diminuição da frequência cardíaca desse paciente e ele passa a ter sintomas. Existem casos em que os bloqueios ou falhas são tão graves que necessitam de implante de marca-passo de imediato ou o paciente vai a óbito”, explica.   

Incumbido de realizar estimulação e regularização cardíaca, o marca-passo pode monitorar e identificar batimentos irregulares, lentos ou até mesmo pausas. “Se o aparelho for programado para estimular a partir de 70bpm e seu coração estiver batendo ritmicamente a 80bpm, o marca-passo identifica como batimentos normais e não age estimulando. Quando o ritmo fica abaixo de 70bpm, ou seja, abaixo da frequência cardíaca programada, o aparelho entende que precisa agir e libera estímulos elétricos ao coração”, explica o médico cardiologista Dr. Roberto Yano.   

Além disso, as recomendações de uso de marca-passo se dividem em classes. As indicações clássicas são para a doença do nó sinusal, bloqueios atrioventriculares que ocorrem no feixe de his ou abaixo dele, por exemplo, os bloqueios de 2° grau do tipo II e bloqueios átrio-ventriculares totais.  

“Existem ainda casos de paciente com hipersensibilidade do seio carotídeo ou síncope neurocardiogênica em que o marca-passo também pode ser indicado, assim como também é recomendado para pacientes com bradicardia e estão sintomáticos. Afinal, ainda não existem medicamentos eficazes para que se aumente a frequência do coração”, pontua Dr. Roberto Yano.  

Linha do tempo do marca-passo 

1932: Albert Hyman idealizou o primeiro marca-passo artificial da história. O aparelho foi utilizado em um portador de bloqueio cardíaco e consistia em um equipamento que produzia energia por manivelas e estimulava o coração. Devido ao peso da invenção, cerca de 7 quilos, ele funcionava fora do peito, por ser impossível implantá-lo.  

1958: Ocorre o primeiro implante de marca-passo. A cirurgia foi realizada por Ake Senning, na Suécia. O marca-passo dessa época era composto por uma grande bateria, que durou apenas uma semana no corpo do paciente. O gerador fora alocado no abdômen do paciente.  

1960 e 1970: Os primeiros implantes de marca-passo no Brasil foram realizados, sendo que os pioneiros em implante e fabricação foram os cardiologistas Décio Kormann e Adib Jatene. 

1970: O aparelho começou a ter suas dimensões diminuídas e vida útil aumentada devido aos avanços da medicina. 

Dias atuais: Já existem marca-passos com telemetria por radiofrequência, tecnologia que permite comunicação sem fio e segura entre o dispositivo implantado e o programador utilizado pelo médico.

Da Redação

LEIA MAIS:

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

cinco + treze =