Prefeito decreta luto oficial em respeito a Coutinho, que morreu nesta segunda-feira

Coutinho Coutinho foi o terceiro maior artilheiro do Santos, com 368 gols em 457 partidas (Foto: Santos FC)

Em respeito à memória do jogador piracicabano de futebol Antônio Wilson Vieira Honório, o Coutinho, que morreu na noite de ontem (11), vítima de um enfarto agudo do miocárdio, em Santos, o prefeito de Piracicaba, Barjas Negri, decretou luto oficial de três dias. Barjas conhecia Coutinho e lamentou a morte do jogador, que morava com a filha.

“Aqui em Piracicaba, ele era chamado de Cotinho, na época da adolescência. Depois visou Coutinho, seguindo uma carreira brilhante, como outros piracicabanos ilustres, como Mazzola e De Sordi, que jogaram no XV de Novembro”, comentou o chefe do Executivo. E acrescentou. “O futebol arte também morre um pouco mais com a ida de Coutinho”.

Em 2015, o prefeito Barjas Negri recebeu de Coutinho um exemplar do livro Coutinho, o Gênio da Área, escrito pelo jornalista Carlos Fernando Schinner. Na obra, há a trajetória do jogador, que nasceu a poucas quadras do Barão da Serra Negra e, aos 14 anos, estreou no Santos, entrando para a história como o jogador mais novo a vestir a camisa do clube.

Coutinho está sendo velado no Salão de Mármore da Vila Belmiro, de onde seguirá para o Memorial Necrópole Ecumênica, também em Santos.