Prefeitura prevê gastos de R$ 2 mi para recuperação

Piscina olímpica está fechada há 14 meses. (Foto: Claudinho Coradini)

A Prefeitura de Piracicaba vai enviar à Câmara dos Vereadores projeto de lei que autoriza financiamento, por meio do Finisa (Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento), da Caixa Econômica Federal. A verba será utilizada em obras de infraestrutura, mobilidade e urbanização e para a revitalização do Complexo Aquático Dr. Samuel de Castro Neves, no Barão da Serra Negra. Além disso estão sendo negociadas verbas de emendas parlamentares como contrapartida. A informação foi divulgada ontem pela administração municipal.

O Complexo Aquático foi inaugurado em janeiro de 1976 e, durante mais de 40 anos, foi usado ininterruptamente, o que causou o desgaste natural de sua estrutura e tubulações, ocasionando vazamentos.

Devido os problemas na estrutura, a piscina olímpica do complexo está interditada há 14 meses. A prefeitura informou que fez manutenções para evitar ao máximo a paralisação das atividades, mas, em julho de 2018, o local teve de ser fechado.

Com o valor financiado poderá ser executado projeto realizado pela Semob (Secretaria Municipal de Obras) para adequar o espaço para uso da população, para os projetos da Selam (Secretaria de Esportes, Lazer e Atividades Motoras) e competições. O projeto foi feito com base em pesquisa realizada com professores e usuários e é estimado em R$ 2 milhões.

A recuperação prevê co aproveitamento da “caixa” existente da piscina e a construção de uma piscina semiolímpica, de dimensões 25 x 25 metros, que atenderá com tranquilidade a demanda das aulas de iniciação e treinamento de atletas, já que possuirá dimensões oficiais, e realização de eventos, com menor custo de manutenção.

Outra piscina será construída para atender as aulas de hidroginástica, principalmente de grupos da Terceira Idade e outras atividades. Nos dias de competições na piscina semiolímpica, essa servirá de apoio e aquecimento aos atletas competidores.

Da Redação