O manifesto foi protocolado pelo coletivo Educação em Luta: Escolas Fechadas, Vidas Preservadas Foto: Claudinho Coradini/JP

O retorno de aulas presenciais na rede pública de ensino é um dos mais calorosos debates nos últimos meses. Na segunda-feira (28), a Prefeitura de Piracicaba e a SME (Secretaria Municipal de Educação) receberam um documento que se mostra contrário à volta as aulas em classes ainda em 2020. O manifesto foi protocolado pelo coletivo Educação em Luta: Escolas Fechadas, Vidas Preservadas.

Como informa uma representante do grupo, que pediu o anonimato, o manifesto – Pelo cancelamento da reabertura das escolas piracicabanas municipais, estaduais e particulares, com o subtítulo Em defesa de nossas vidas: à espera de imunização – foi protocolado junto a um abaixo-assinado com 1406 nomes, entre educadores, pais com crianças na rede do município e profissionais da saúde.

Para o coletivo, permitir que crianças voltem às escolas neste momento representa um risco à comunidade. Além disso, a representante do grupo disse que o protocolo entregue pela SME “desesperou” muitos educadores. “Ficamos assustados porque é um protocolo de muita abrangência, porém difícil na prática”.

No entendimento do coletivo, “é um dever social do educador levar à comunidade sobre os riscos que o retorno pode trazer à população”, apesar de estarem cientes de que a educação à distância não supre todas as necessidades de conhecimento das crianças.

“Mas diante da necessidade de defender a vida, buscamos alternativas temporárias para preservá-las. Acreditamos que a infância será mais respeita nas casas, onde poderão ser crianças. Pelo protocolo, elas não poderão dividir brinquedos, poderão ficar só com seus objetos e pouca interação com o professor. Essa não é a melhor forma de educação a se oferecer”.

O coletivo surgiu nas redes sociais e é formado por cerca de 200 pessoas. O abaixo-assinado foi online, para atingir o maior número de pessoas. Apesar de protocolado, fica aberto para mais adesões. A intenção é que mais pessoas abracem a causa”.

SME
A SME (Secretaria Municipal de Educação) revela que recebeu o abaixo-assinado e “respeita o direto à manifestação”, como respondeu em nota enviada ao Jornal de Piracicaba.

Sobre o eventual retorno de aulas presenciais na rede municipal, a pasta destaca que esta será uma decisão do prefeito Barjas Negri “em conjunto com autoridades de saúde do município, amparados pelo Comitê Covid-19” e ressalta, ainda, que “todas as decisões nessa esfera são tomadas com base em dados científicos e de saúde”.

Erick Tedesco

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

20 − sete =