Prefeitura repassou em 3 meses, mais de R$ 3,4 milhões à TUPi

Sem data de licitação, contato que termina em 8 de maio, vai ser sucedido por novo contrato emergencial. (Foto: Alessandro Maschio/JP)

Termina dia 8 de maio, a vigência de contrato da Prefeitura Municipal com a empresa TUPi (Transporte Urbano Piracicaba). Sem licitação, a contratação foi renovada em novembro de 2020 de forma emergencial, no valor de R$ 39,5 milhões. De acordo com informações da assessoria de imprensa da Prefeitura de Piracicaba, o custo operacional, pelo qual a empresa Trans Acreana – TUPi foi remunerada nos meses de janeiro, fevereiro e março de 2021, totalizou R$16.201.817,78. Deste valor, R$12.765.020,57 foram obtidos por meio da venda de passagens e R$ 3.436.797,21 foram complementados pela Prefeitura por meio de subsídio.

A assessoria informou também, que o contrato emergencial que termina mês que vem, será sucedido por outro contrato emergencial envolvendo uma frota mais nova.

“O novo processo licitatório do Sistema de Transporte Coletivo Urbano e Rural do Município de Piracicaba está em fase de preparação de material técnico. A expectativa é que no início do segundo semestre deste ano já esteja em andamento a Audiência Pública correspondente”, traz a nota.

REQUERIMENTO NA CÂMARA

Na semana passada, o vereador Paulo Camolesi (PDT), solicitou ao Executivo por meio de requerimentos aprovados em sessão camarária, documentos dos contratos de concessão firmados, respectivamente, com a Via Ágil e a Tupi, antiga e atual responsáveis pelo serviço de transporte público coletivo no município.

Conforme o vereador cita em um dos requerimentos, não ficaram esclarecidos para a opinião pública os reais motivos para o rompimento do contrato de concessão da Via Ágil com o município. Camolesi reforçou que o transporte coletivo é um serviço de importância para a mobilidade de uma grande parcela da população, cuja vida “depende integralmente” do seu adequado funcionamento e que, apesar de ser executado por empresa do setor privado, mediante concessão pública, tal serviço “é de responsabilidade do Poder Executivo”.

O vereador solicita ainda que seja disponibilizada a cópia do primeiro contrato de prestação de serviço emergencial firmado com a empresa TUPi, acompanhado dos aditamentos que prorrogaram o tempo de serviço, e uma relação nominal de todas as linhas que estão em circulação, juntamente com os respectivos horários, além do número de ônibus operantes e da média de passageiros transportados mensalmente.

Pedro Martins
[email protected]

LEIA MAIS:

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

19 − dezoito =