Presos da Penitenciária Masculina concluem curso de cabeleireiro

Diretor da unidade, Élcio José Bonsaglia, enfatiza que muitos não tiveram essa oportunidade antes. (Foto: Claudinho Coradini/JP)

Centro e trinta dois homens que cumprem pena na Penitenciária Masculina tiveram a oportunidade de concluírem o curso de cabeleireiros, no interior da unidade. Com duração de seis meses, os participantes puderam ter contato com uma nova profissão para aqueles que buscam por um futuro longe da marginalidade. A formatura da terceira turma aconteceu ontem, no interior do presídio.

O diretor da unidade Élcio José Bonsaglia disse que muitos ressocializandos não tiveram essa oportunidade lá fora. “Desde o meu primeiro dia como gestor há dez anos, tenho como objetivo de resgatar a dignidade, caráter e conduta do homem-preso por meio da responsabilidade e comprometimento seja pelo estudo, trabalho, ou cursos. Acredito na segunda chance para as pessoas, pois ninguém está livre de cometer algum erro na vida”, afirmou Bonsaglia.

Segundo ele, assim como outras atividades dentro do presídio, o curso faz parte do processo de ressocialização adotado pela SAP (Secretaria da Administração Penitenciária).

PARCEIRA

A 3ª turma do curso de cabeleireiro, foi realizado em parceira com a Escola de Itinerante de Cabeleireiro Hart Hair e o Instituto Ação Pela Paz. A formatura contou com as presenças do coordenador de Unidades Prisionais da Região Central do Estado, juiz da Vara de Execuções Criminais de Piracicaba, Luiz Antônio da Cunha, defensor público Anísio Vieira Caixeta Júnior, professora Denise Junqueira de Lima, e diretora-executiva do Instituto Ação Pela Paz, Solange Senese.

Ao fim de cada módulo todos os reclusos, inclusive os reclusos que realizaram o curso no pavilhão habitacional, passaram por avaliação pelos profissionais da Art Hair, e com a aprovação receberam nesta data o certificado de conclusão do curso, estando aptos a exercerem a profissão de cabeleireiro. A capacitação começou em 2017 e desde então 154 pessoas concluíram a profissionalização.

Cristiani Azanha
[email protected]