Prevenção e cuidados diários para evitar problemas que atingem a visão

Foto: Pexels

De acordo com o IBGE, mais de 6 milhões de pessoas têm algum tipo de deficiência visual no Brasil

Atualmente, com as pessoas passando muito mais tempo em frente às telas de computadores, celulares e tablets, um dos principais problemas que afetam os olhos é a Síndrome do Olho Seco. Nesses casos, há uma redução significativa da frequência do pestanejar, comprometendo a lubrificação adequada da superfície ocular.

Segundo a Associação dos Portadores de Olho Seco (APOS), a Síndrome do Olho Seco acomete 24% dos brasileiros e tem como sintomas: secura ocular, cansaço visual, vermelhidão, ardência, coceira, sensação de corpo estranho ou areia nos olhos e embaçamento da visão. Tais sintomas podem comprometer, de maneira significativa, a qualidade de vida dos indivíduos. Nos casos mais graves pode, inclusive, haver acometimento da córnea, com sequelas que reduzem a acuidade visual.

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Oftalmologia, 90% dos usuários de aparelhos eletrônicos permanecem diariamente por mais de três horas seguidas na frente das telas e apresentam algum incômodo relacionado à síndrome. A oftalmologista Fabiana Rega Gallucci explica que a Síndrome do Olho Seco é uma condição multifatorial que pode provocar desde sintomas leves até muito graves. “As pessoas piscam menos nos estados de atenção, quando ficam por tempo prolongado em frente às telas de computadores, celulares e TVs, e isso reduz a lubrificação dos olhos, já que aumenta o tempo de exposição da superfície ocular”, afirma a especialista.

Devido à pandemia, o problema tem atingido também crianças e adolescentes que passam um longo período à frente das telas eletrônicas para estudar, ou como forma de entretenimento. Para a oftalmologista, essa rotina pode provocar problemas oculares mais graves como a miopia, entre outros distúrbios oculares. “A falta de cuidados com a visão pode trazer uma série de problemas com o passar do tempo, os quais podem ser evitados com acompanhamento médico adequado”, afirma Fabiana.

Para evitar o desconforto nos olhos é recomendado fazer algumas pausas para diminuir o período de exposição às telas, lembrar de piscar e aplicar um colírio lubrificante. “É importante ressaltar que as lágrimas têm um papel bastante importante para a saúde ocular, uma vez que protegem os olhos contra os fatores externos. Por isso, se os olhos estiverem ressecados, o tratamento inclui a utilização de lágrimas artificiais para mantê-los hidratados e lubrificados. Porém, deve-se sempre consultar o oftalmologista para verificar qual a solução é a mais indicada para cada caso”, conclui a médica.

Com o objetivo de minimizar o problema, a Genomma Lab tem em seu portfólio o lubrificante ocular Liris, da divisão de OTC da empresa, que possui uma composição muito similar à da lágrima natural. O medicamento, isento de prescrição médica, é composto por carmelose sódica, indicada para melhorar a irritação, o ardor e a secura dos olhos. O produto também é recomendado como lubrificante durante o uso de lentes de contato, aliviando o ressecamento e o desconforto.

Profissional dá dicas de como manter a saúde dos olhos

Dados da Organização Mundial de Saúde, demonstram que no ano passado, mais de 285 milhões de pessoas no mundo possuem incapacidade visual, dessas 39 milhões são cegas. Ainda segundo o estudo, 80% dos casos poderiam ter sido evitados ou curados, se houvesse uma rotina de visitas ao oftalmologista.

O oftalmologista credenciado da Paraná Clínicas, João Guilherme Oliveira de Moraes, alerta que as visitas a um profissional de confiança, devem ocorrer o quanto antes. “A partir dos 3 anos de idade, todos devem fazer uma consulta anual com o médico especialista. A consulta rotineira não é apenas para conferir o grau ou necessidade de óculos, mas vários exames fazem parte da consulta de rotina, como avaliação do fundo de olho e medida da pressão ocular. Doenças silenciosas são detectadas na consulta de rotina, por isso é recomendável uma consulta anual”, alertou.

O relatório da OMS aponta ainda que no Brasil, mais de 580 mil pessoas sofrem com a cegueira e, geralmente, casos que poderiam ser evitados. De acordo com o médico, as doenças que possuem diagnóstico precoce são facilmente tratadas. “Além da miopia, hipermetropia e astigmatismo, que são corrigidas com óculos, lentes de contato ou cirurgias, existem muitas doenças comuns que quando diagnosticadas precocemente podem evitar a cegueira, como a catarata, glaucoma, retinopatia diabética e degeneração macular”, ressaltou.

Assim como em todas as áreas de saúde, é preciso criar hábitos saudáveis para cuidar dos olhos. “Temos que lembrar que os olhos são os órgãos responsáveis pela visão e precisam ser cuidados. A saúde ocular é fundamental para a nossa qualidade de vida e de visão”, destacou o oftalmologista.

Confira outras dicas oferecidas pelo médico:

  • Evite coçar os olhos;
  • Não force muito a visão, sem dar um descanso. Nos tempos de pandemia e com o aumento da exposição as telas de computador e celular, lembre-se sempre de piscar e fazer uso equilibrado desses equipamentos;
  • Cuidados com a maquiagem: remover os produtos de beleza dos olhos antes de dormir; não usar produtos fora do prazo de validade; não usar produtos de outra pessoa; usar produtos antialérgicos e sem conservantes;
  • Cuidado com a automedicação: A automedicação ou a utilização de medicamentos sem receitas também deve ser evitada nos olhos. Os colírios quando usados inadequadamente podem levar efeitos colaterais graves e prejudiciais a sua visão;
  • Use óculos ou lentes de contato apenas quando prescritos por médico oftalmologista;
  • Ao menos uma vez por dia, higienize a área em volta dos olhos, como pálpebras, cílios e cantos, para remover impurezas e secreções secas evita coceira, irritação ou até conjuntivite.

Da Redação

LEIA MAIS

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

2 × cinco =