Primeiro sindicato patronal da indústria do Brasil faz 30 anos

Foto: Alessandro Maschio/JP

Em três décadas, o Simespi se instalou, cresceu, ampliou serviços e agora já faz novos planos

O Simespi (Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas, de Material Elétrico, Eletrônico, Siderúrgicas e Fundições de Piracicaba, Saltinho e Rio das Pedras) chega aos 30 anos num dos momentos mais desafiadores para a Humanidade. Há quase um ano e meio, o mundo todo combate sem trégua a pandemia causada pelo novo coronavírus, um inimigo invisível que afeta não só a saúde da população, mas a economia do planeta.

“Mas é de desafios que o Simespi vive desde que foi criado, em 1991”, afirma Euclides Baraldi Libardi, presidente da entidade pela segunda vez, eleito para o triênio 2020-2022. Ele lembra que o primeiro sindicato patronal do setor metal-mecânico do país surgiu da necessidade de dar às negociações da convenção coletiva um matiz mais regional. “O salário era fortemente baseado no poderio do setor automotivo naquela época. Tínhamos que seguir os acordos firmados pela Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo). Era preciso trazer as discussões para a realidade local”, relata.

Ao longo dessas três décadas, o Simespi testemunhou e se dispôs a acompanhar as profundas mudanças pelas quais o Brasil e o mundo passaram, especialmente no campo da tecnologia. A Era Digital surgia e dava sinais de que nada mais seria como antes. “Nos anos 90, Piracicaba começou a se transformar numa potência industrial, deixando de ser apenas voltada ao setor sucroalcooleiro para se tornar multifacetada. Nosso parque se diversificou e o Simespi acompanhou esse processo, na maioria das vezes, como protagonista”, diz o presidente.

Para além da negociação salarial, o Simespi ampliou sua missão ao constatar que as empresas careciam de suporte nas mais diversas áreas. “Começamos, por exemplo, a oferecer cursos para os quais as empresas encaminhavam os trabalhadores. Focamos na capacitação e no treinamento, suprindo uma lacuna não preenchida pelo poder público”, relata o presidente.

Hoje, com aproximadamente 200 empresas associadas e um diversificado portfólio de serviços e benefícios disponíveis para elas, o Simespi tem em sua história três pontos importantes a serem destacados, na avaliação de Libardi: o sucesso das negociações da convenção coletiva, a conquista da sede própria em 2002 e a realização do Simtec (Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Agroindústria Sucroalcooleira), este último realizado em parceria com Acipi (Associação Comercial e Industrial de Piracicaba), Ciesp (Diretoria Regional do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) e Coplacana (Cooperativa dos Plantadores de Cana do Estado de São Paulo). “Desde a fundação do Simespi, nunca mais tivemos greve no setor. A sede própria foi um ganho expressivo por nos proporcionar uma estrutura à altura das necessidades da entidade e de suas associadas. O Simtec foi, por uma década, um dos eventos mais importantes para a cidade e um dos mais relevantes para o setor sucroalcooleiro”, justifica.

SOBRE O FUTURO
Atento aos desafios presentes e futuros, o Simespi já tem muito claro onde deve colocar seu foco. “Na condição de sindicato, penso que nosso papel seja cada vez mais o de facilitador para que as empresas tenham acesso à tecnologia e à inovação”, destaca o presidente. Fazem parte do planejamento dessa gestão, ainda, iniciativas como a criação de rodadas de negócios, parcerias com instituições de ensino para desenvolvimento tecnológico, que impulsionem especialmente o crescimento das empresas de pequeno porte.

Ainda falando do futuro, Libardi afirma considerar importante a ampliação das ações colaborativas e das parcerias, que já fazem parte do escopo de trabalho do Simespi; mais envolvimento da entidade com seus associados; e maior aproximação com as questões políticas e econômicas que envolvam a indústria. “Não me refiro a política partidária, mas ao fato de cobrarmos dos nossos representantes eleitos aquilo que vai beneficiar nosso setor”, conclui.

PIONEIRO
Prefeito de Piracicaba eleito no ano passado, Luciano Santos Tavares de Almeida foi um dos idealizadores do Simespi e presidente da primeira diretoria provisória da entidade. “Tudo começou quando um grupo de jovens empresários, do qual eu fazia parte, idealizou uma proposta para a criação de um sindicato patronal independente, que garantisse o crescimento sustentável das indústrias locais”, recorda. “Ter sido o primeiro presidente do Simespi é um motivo que me enche de orgulho e satisfação até hoje”.

Especial Simespi 30 anos

LEIA MAIS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

10 + 16 =