Primeiros socorros dos pets: como proceder em caso de acidente

Cuidados simples podem contribuir para amenizar a dor do pet e manter sua segurança até ser atendido. (Foto: Divulgação)

Pets travessos existem em todas as espécies, raças e casas. Mesmo aqueles que não costumam exagerar nas corridas entre os cômodos, subidas desautorizadas em móveis e esbarrões em vasos ou mesas, vez ou outra acabam dando algum susto nos tutores.

Da mesma forma que para os humanos, os primeiros socorros dos pets podem evitar o agravamento dos casos e até mesmo salvar vidas, explica o médico veterinário Claudio Rossi. “A recomendação mais importante é que em caso de acidente o animal receba atendimento veterinário imediato. Por isso, os tutores devem ter sempre em mãos o telefone e endereço de um hospital que funcione 24 horas, e o contato do veterinário de confiança”.

Algumas medidas de primeiros socorros, destaca o especialista, podem contribuir para amenizar a dor do pet e manter sua segurança no intervalo entre o acidente e o atendimento especializado. No caso de o pet apresentar irritação cutânea, como alergias e dermatite de contato, problemas causados pela reação alérgica ao contato com alguma substância irritante (alérgena), segundo Rossi, o ideal é que o tutor identifique a substância que causou a reação cutânea no animal e não tente utilizar nenhum produto caseiro para resolver a situação. “O tratamento deverá ser indicado pelo médico veterinário que poderá receitar medicamentos orais e pomadas ou outros tratamentos tópicos para auxiliar no desconforto do pet”, ele ressalta.

Rossi também fala do pet que eventualmente sofra uma escoriação. “As escoriações, que são os famosos ‘ralados’, costumam ser lesões de pele simples. Caso o animal sofra um pequeno arranhão, brincando na grama, por exemplo, é indicado higienizar a área lavando-a com água e um pouco de shampoo neutro, próprio para pets”, explica o veterinário.

Mas se a lesão for maior, complementa, ou o pet apresentar dor na região, poderá ser necessária a utilização de pomada antisséptica veterinária, que deverá ser indicada por um profissional. “Em ambos os casos é importante manter a área limpa e coberta para que o pet não consiga lamber a ferida e para que ela possa cicatrizar”.

E como agir em caso de queimaduras? “Em casos de queimaduras, é indicado lavar a área afetada com água fria corrente por alguns minutos para resfriar e aliviar a dor. Não se deve utilizar pomadas ou receitas caseiras, apenas é preciso cobrir a região com uma atadura ou pano limpo molhado”, ressalta Rossi.

Caso o pet sofra um choque elétrico, o veterinário afirma que a primeira coisa a ser feita é retirar o equipamento ou fio da tomada, “mas é importante tomar cuidado para não tocar no animal durante a descarga, pois há possibilidade de condução de corrente elétrica e consequente choque”, conta.

Outro primeiro socorro importante diz respeito às lesões hemorrágicas, aquelas com sangramento ativo que podem ser causadas por mordidas, cortes ou perfurações. “Nesses casos, conter o sangramento é importante, para isso, o tutor pode pressionar a região com gaze ou um pano limpo enquanto leva o pet ao veterinário, o procedimento ajudará a conter a perda de sangue. É importante ressaltar que caso haja algum objeto causando o sangramento, o tutor jamais deve tentar retirar o item”, ele alerta.

Já no caso do pet ser picado por um animal peçonhento, Ross fala que o tutor deve tentar identificar o animal peçonhento que o picou. “Isso auxiliará no atendimento veterinário. É importante que o tutor não tente mexer no local onde o animal foi picado, muito menos que tente remover o veneno realizando algum corte ou perfuração”.

Erick Tedesco
[email protected]

LEIA MAIS:

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

quatro × 1 =