Processo de aprendizagem digital

Em três meses a vida de toda a população mudou e mediante a essa nova condição humana, fomos envolvidos na nossa impotência que escancara o quanto somos frágeis. Diante desse novo contexto, vivemos algo praticamente inédito que se configura com os pais assumindo exclusivamente os cuidados das crianças e adolescentes, exigindo a reformulação do cotidiano das famílias, que até pouco tempo atrás, era organizado tanto internamente como externamente aos lares, com o apoio da escola.

E mediante as mudanças penso ser muito oportuno fazermos uma reflexão sobre o ato de educar os filhos em tempos de pandemia mundial. A educação só é possível quando toda a comunidade escolar envolve-se nesse processo, exercendo uma atuação fundamental no desenvolvimento de habilidades emocionais e conhecimentos teóricos.

Desta forma, podemos dizer que a educação é construída por meio do envolvimento entre professor, alunos, família e comunidade no espaço escolar, onde cada um contribui com sua parcela, para que os resultados aconteçam de maneira satisfatória. Com a necessidade do isolamento social, esse processo que era construído pela escola, foi direcionado para as casas dos alunos, e junto com a necessidade de levar também toda a comunidade escolar. Desta forma, com a intensa importância dos pais atuarem como agentes de organização, estimulo e orientação dos filhos, e essa exigência estende-se tanto para o processo de educação presencial como o digital. Tarefa esta, que não tem sido encarada com facilidade pela maioria dos pais, até porque precisam dar conta de outras demandas que envolvem suas rotinas. E ainda o momento atual sugere que os pais reaprendam com seus filhos, estando mais próximos deles, fortalecendo os vínculos, laços de afeto que são fundamentais para o desenvolvimento emocional e o deslanchar no processo de construção do conhecimento.

Não basta nesse momento a preocupação em como ensinar os filhos os conteúdos programados pelos colégios, porém vale a reflexão nesse momento de pandemia do que podemos aprender junto com os filhos nesse processo de conhecimento. Tenho percebido os pais assustados mediante os acontecimentos do mundo e como os filhos darão conta dessas mudanças, diante de tantas incertezas quanto ao futuro, mas talvez, o que tenha mais importância nesse momento é encontrar maneiras de garantir os valores, sustentando-os nesse cotidiano que estamos inseridos, promovendo assim a tranquilidade de todos os membros da família, diminuindo as ansiedades, dialogando com os filhos sobre a atual situação com clareza amparando seus anseios, na tentativa de evitar dificuldades emocionais que esse período possa estimular no futuro.

É de suma importância que as crianças e adolescentes entendam o motivo da educação digital, pois esse momento de inseguranças pode promover angustias. Os pais precisam de coerência na maneira de conduzir a rotina de estudos, da casa, ainda com as incertezas de quando as aulas presenciais serão retomadas. Essa forma de conduzir, auxilia os filhos e pais a encontrarem uma maneira tranquila de aprenderem uns com os outros e também com a escola.

Sabemos que esse momento não aconteceu com um manual de instruções, sendo necessário todos envolvidos, construírem um trabalho em conjunto entre alunos, pais e escola novas possibilidades. Reformulando que o papel da escola não está apenas em ensinar os alunos, mas demais funcionários, professores e pais a repensarem formas de atuação diariamente, assim em tempos de pandemia estando todos em condição de aprendizes. Vale lembrar que o processo de educar estende-se para além dos conteúdos escolares, abrangendo a comunicação como um todo e a criação de novas experiências compartilhadas, encontrando respostas para o que realmente importa na vida, consolidando todos essa grande empreitada.