Produção de máscaras de proteção por presos ultrapassa marca de 1,5 milhão

Cerca de 450 reeducandos trabalham na produção (Divulgação/SAP)

A produção de máscaras de proteção em presídios do Estado de São Paulo ultrapassou a marca de 1,5 milhão de peças produzidas. Até a última segunda-feira (4) foram produzidas 1.448.165 máscaras descartáveis.

O Governador João Doria anunciou, a iniciativa no dia 2 de abril deste ano. A meta foi a produção diária de 50 mil unidades,




Cerca de 450 reeducandos, homens e mulheres das Penitenciárias de Tremembé, Tupi Paulista, Andradina, Itaí e de Araraquara trabalham na produção. As máscaras descartáveis já foram adquiridas por todos os presídios do estado para uso dos servidores. Além da SAP, também já foram adquiridas pelos órgãos de segurança pública do estado de São Paulo, pela Defesa Civil, Procon e Palácio do Governo.

Na última semana de abril, foi instalada uma máquina para a produção automatizada no Presídio Romão Gomes, da Polícia Militar, que já conta com estoque de 75 mil peças. Em poucos dias outra máquina será instalada no mesmo presídio. Com isso, a capacidade de produção dobrará das atuais 60 mil para 120 mil peças/dias e o emprego de mais 24 reeducandos.
As oficinas da Funap (Fundação Prof. Dr. Manoel Pedro Pimentel), vinculadas à  SAP (Secretaria da Administração Penitenciária), foram especialmente adaptadas para a confecção das máscaras.

Os espaços foram preparados e foi criado um protocolo de higienização pessoal e ambiental com base em padrões hospitalares para garantir a qualidade sanitária das máscaras, que são vendidas, a preço de custo, prioritariamente a órgãos de segurança pública e saúde.
Na cidade de São Paulo, a Penitenciária Feminina da Capital está montando protetor facial do tipo “face shield”, composto por uma tela de proteção transparente de acrílico. São empregadas quatro reeducandas por turno na produção das peças, que estão disponíveis para aquisição por meio da Funap sendo produzidas, até o momento, 4 mil unidades.

Da Redação