Professores em luta por um Brasil melhor

Em uma conjuntura de dificuldades e retrocessos, na qual nos encontramos em assembleia permanente para defender o direito à aposentadoria, ameaçado pelos projetos de reforma da previdência de Doria, e em plena campanha salarial e educacional, realizamos com grande êxito a VII Conferência Estadual de Educação e o XXVI Congresso Estadual da Apeoesp.

Na abertura, realizamos uma emocionante homenagem a Marielle Franco, Vereadora do Rio de Janeiro covardemente assassinada em março de 2018, juntamente com seu motorista, Anderson Silva, por ser lutadora pelas causas populares, contra a violência policial, pelos direitos do moradores da periferia, pelas mulheres, pelas pessoas Lgbtqi+ e tantas outras causas. Juntamente com seu pai, Antônio Francisco da Silva Neto, pudemos expressar coletivamente o que nos move a resistir e a lutar. E em nossa luta Marielle estará sempre presente.

Recebemos também uma comovente mensagem, em vídeo, do ex-presidente Lula, que simboliza toda a trajetória do povo brasileiro em busca de justiça, cidadania, direitos, conhecimento, trabalho e salários dignos, enfim, uma vida melhor, plena e feliz. Nesse momento, as Delegadas e os Delegados presentes também lhe prestaram homenagem e, sobretudo, firmaram mais uma vez o compromisso de lutar pela anulação dos processos ilegais que pesam sobre ele e pela restituição de seus direitos políticos.

Nossa Conferência e Congresso se iniciaram e se encerraram em clima de unidade, expressando a mais profunda disposição de luta da nossa categoria por educação pública, gratuita, laica, inclusive, de qualidade. Por condições de trabalho e valorização profissional. Enfim, por todos aqueles direitos e reivindicações que estão expressos no Plano de Lutas aprovado.

Enfim, o Plano de Lutas aprovado, assim como todas as demais resoluções, são o guia para a nossa ação e para os debates e campanhas que a Apeoesp promoverá, sempre articulada com os demais profissionais da educação, estudantes, pais, movimentos sociais e centrais sindicais, com todas os demais segmentos e representações sociais dispostos a defender a escola pública e um projeto nacional e estadual que promova, antes de tudo, justiça e humanidade.

Não poderia também, neste momento, deixar de me referir às absurdas declarações do Ministro da Economia, Paulo Guedes, desqualificando os servidores públicos como parasitas e, em outro momento, tentando esconder o desastre da política econômica do governo federal, ao afirmar que a alta do dólar (no mais alto patamar da história) seria benéfica para o país. Demonstrando preconceito e despreparo, afirma que com o dólar a preço baixo, “empregadas domésticas iam para a Disney”.

Não é este o país que queremos e, por isso, o Congresso da Apeoesp soube se posicionar perante os problemas que estão colocados para nós, professores, como profissionais da educação, servidores públicos, cidadãos e cidadãs que lutam por um país melhor.