Projeto fará inventário das obras de arte sacra da Arquidiocese do Rio

Projeto fará inventário das obras de arte sacra da Arquidiocese do Rio
Fonte: Agência Brasil

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou hoje (23) o investimento de R$ 5,38 milhões para o projeto de preservação do acervo histórico da Arquidiocese do Rio de Janeiro. O valor, destinado por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, corresponde a 88% do investimento total.

O restante, R$ 758,7 mil, será custeado pela mineradora Vale, dentro da iniciativa Resgatando a História, lançada em julho de 2021 para a concessão de apoio financeiro à recuperação do patrimônio histórico e do acervo memorial brasileiro.

O projeto prevê a realização e divulgação do inventário das obras de arte sacra da Arquidiocese do Rio de Janeiro e a promoção do turismo cultural na zona oeste e nos subúrbios da cidade, contemplando as igrejas tombadas pelas esferas municipal, estadual e federal em todas as regiões da capital fluminense, além das edificações com acervo.

Está prevista também a implantação de sistemas de segurança patrimonial, incluindo câmeras e alarmes, em parte dos equipamentos culturais a serem inventariados, de modo a diminuir os riscos de furto de peças do catálogo.

O arcebispo do Rio, dom João Orani Tempesta, destacou que o acervo da Arquidiocese é um dos mais importantes do patrimônio histórico e artístico nacional, com obras feitas por grandes mestres como Valentim da Fonseca e Silva e Inácio Ferreira Pinto, José Leandro de Carvalho, Pedro da Cunha e Francisco Xavier de Brito, dentre outros.

“A ampliação do acesso a esses bens culturais tão valiosos e outros de grande importância afetiva para as comunidades de fiéis e pastorais da Igreja no Rio de Janeiro é, para nós, motivo de alegria, permitirá a valorização das coleções e estimulará o engajamento de presbíteros, leigos e diletantes pela salvaguarda e preservação do nosso patrimônio”, disse.

Plataforma

O projeto prevê a catalogação dos bens móveis e integrados presentes em mais de 450 igrejas e capelas, entre as quais a de Santa Rita, primeiro e maior exemplar do Rococó Religioso da Baviera, estilo artístico que entrou no Brasil via Rio de Janeiro por volta de 1750 e se difundiu pelo país; a de Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé, que foi capela imperial durante os reinados de D. João VI, D. Pedro I e D. Pedro II, e antiga sede dos frades carmelitas, ali estabelecidos no século 17; a de São Francisco de Paula, sede da Ordem Terceira dos Mínimos e monumento símbolo do estilo arquitetônico português do século 18, conhecido como estilo Pombalino; e a de São Francisco Xavier, um dos últimos resquícios dos jesuítas no Rio de Janeiro.

O diretor de Crédito Produtivo e Socioambiental do BNDES, Bruno Aranha, informou que será disponibilizada uma plataforma virtual de todo acervo catalogado.

“Vamos contribuir para a disseminação e democratização desse importante patrimônio, que ficará disponível para acesso e pesquisa à população em geral”, disse.

“O projeto contribuirá ainda para o turismo histórico-cultural na zona oeste e subúrbios do Rio de Janeiro, que são regiões pouco conhecidas pelo seu patrimônio histórico, embora tenham muito a oferecer”, completou.

Na avaliação do diretor-presidente do Instituto Cultural Vale, Hugo Barreto, a iniciativa de realizar um inventário de arte sacra da Arquidiocese do Rio vai permitir a “ampliação de visitas dos diversos públicos a bens culturais de valor inestimável e o fomento do turismo cultural”.

Importância

O trabalho será realizado pela Associação Cultural da Arquidiocese do Rio de Janeiro (Acarj). Segundo o professor Carlos Alberto Serpa de Oliveira, diretor da entidade, o Inventário da Arquidiocese do Rio consiste em uma ação de “importância ímpar” para a Acarj.

“Nos nossos mais de 30 anos de existência e, enquanto associação que atua como verdadeiro arauto da preservação cultural, estamos testemunhando um dos episódios mais marcantes para salvaguarda dos bens culturais de diversas regiões consideradas periféricas e outros monumentos de vultosa importância histórica e artística”.

Para ele, a instalação de câmeras de segurança em alguns dos edifícios mais vulneráveis da Arquidiocese vai corroborar para a proteção e fruição das coleções.

Após a conclusão do inventário, o acervo passará a ser divulgado por meio da criação de um circuito de visitação que contará com a participação de escolas e agências de viagens.

Estão previstas ainda oficinas de capacitação para agentes culturais e patrimoniais locais; exposição itinerante, com curadoria participativa das comunidades do entorno das igrejas; e publicações impressas e digitais do catálogo do acervo inventariado, bem como de uma revista com material voltado para a educação patrimonial.

Projeto fará inventário das obras de arte sacra da Arquidiocese do Rio

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

quatro × um =