Questionada,CPFL retira galhos cortados há 20 dias

Moradores temiam algum acidente com os galhos secos (Foto: Amanda Vieira/JP)

Ao ler a matéria “CPFL levou pelo menos cinco dias para tirar galhos de calçada”, situação que ocorreu na semana passada na rua Dom Pedro II, no centro da cidade, e foi publicada na edição de 9 de maio no Jornal de Piracicaba, a leitora Jhenifer Silva procurou a reportagem para denunciar que a empresa havia deixado também resíduos de poda de árvore na calçada em frente à casa do seu sogro, na rua Canuto Saraiva, no Jardim Taiguara. Na última segunda-feira (12) faziam mais de 15 dias da poda, os galhos já estavam secos.

Na última quarta-feira (13), a reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da CPFL, que enviou a nota: “A companhia informa que enviará, ainda hoje, uma equipe até o local para fazer a retirada do material”. Segundo Jhenifer, os galhos não estão mais no local.

Jhenifer informou que os funcionários da CPFL, no dia da poda, disseram que voltariam para retirar os resíduos no dia seguinte. Como não retornaram, Jhenifer conta que a família fez o pedido para a empresa, mas não o serviço não foi concluído. O protocolo do atendimento também não foi informado.

“Eles estão com medo que alguém jogue bituca de cigarro ou alguma coisa que pegue fogo, pois os galhos já estão bem secos”, relata Jhenifer.

Devido à situação semelhante de atraso para a conclusão do serviço já ter sido noticiada, a empresa também foi questionada se, pela pandemia do novo coronavírus, havia tido redução no quadro de funcionários. Mas a CPFL não se pronunciou a respeito.

Andressa Mota