Raça Negra canta sucessos no Cristóvão Colombo

O termo pagode romântico, que surgiu pela primeira vez na década de 1990, tem relação direta com a Raça Negra, banda liderada pelo carismático vocalista Luiz Carlos e que facilmente pode ser apontada como precursora do gênero. Radiofônicas e feitas para cantar junto, as músicas do grupo chegam até mesmo para as novas gerações e os shows são sempre povoados por fãs da velha e nova guarda. O Raça Negra retorna a Piracicaba neste sábado, quando se apresenta a partir das 22h no Clube Cristóvão Colombo.

Assinantes do Clube JP têm 30% de desconto na compra de ingressos exclusivamente em pontos físicos. Os pontos de venda em Piracicaba são na secretaria do Clube Cristóvão, Hotel Ibis Styles (avenida Saldanha Marinho), Armação Surf (Centro), Radical Vest (Shopping Piracicaba), Renata Modas (unidades dos bairros Alvorada, Vila Sônia e Santa Terezinha) e PMG Uniformes (avenida Dr. Paulo de Moraes). Os ingressos também são vendidos online, pelo site www.redticket.com.br.

Desafiar o tempo com suas canções sempre foi uma das principais características do Raça Negra, suas músicas são conhecidas por públicos de todas as faixas etárias e classes sociais. Com 35 anos de carreira, Luiz Carlos e seus companheiros já provaram inclusive que transitam entre fãs de outros segmentos musicais.

Sobre o pioneirismo da Raça Negra, está registrado na história da música popular brasileira que o grupo de Luiz Carlos foi o primeiro, de samba, a tocar numa rádio FM com a música “Caroline”. Na década de 90, entrou para o Guinness Book com a canção “É tarde demais”, devido à marca de mais de 600 execuções em rádios num só dia. Outra marca do grupo que o torna referência atemporal do pagode romântico é a incursão de instrumentos incomuns ao seguimento como naipes de metais.

Fora do Brasil, a Raça Negra começou a carreira internacional a partir do oitavo registro de estúdio, em 1997. As músicas “Preciso desse amor” e “É amor demais”chegaram às rádios da Europa, EUA e Ásia.

E tudo sob a liderança de Luiz Carlos. Sempre teve a batuta nas mãos para reger os passos do Raça Negra e é um ícone entre os nomes que surgiram posteriormente. Impossível falar em alguém que canta, toca e vive de samba que não tenha bebido da fonte dos Raça Negra.

Serviço

Raça Negra neste sábado (14), às 22h, no Clube Cristóvão Colombo (avenida Prof. Alberto Vollet Sachs, 2300). Ingresso: a partir de R$ 69, em pontos físicos e online em www.redticket.com.br. Assinantes do Clube JP têm 30% de desconto exclusivamente nos pontos físicos.

Erick Tedesco ([email protected])