Sameh Brglah faz parte dos 13,2 mi de sírios refugiados (Claudinho Coradini/JP)

A busca do estudante Sameh Brglah, 27, por um lugar seguro para fugir da guerra na Síria, da possibilidade de se tornar um soldado e de não poder estudar começou em 2012. Depois de ter passado por países como Líbano, Jordânia, Singapura, Malásia e Turquia, em 2015 chegou ao Brasil. Sem a família, mas com ajuda da comunidade síria de São Paulo, adaptou-se à cultura do país (tão diferente da sua), enfrentando o desafio da nova língua, e encontrou na FOP (Faculdade de Odontologia de Piracicaba) Unicamp a receptividade que precisava para construir sua carreira e seu novo lar.


Sameh faz parte dos 13,2 milhões de sírios refugiados, solicitantes da condição de refugiados e deslocados internamente, o que representa um sexto dos refugiados no mundo até o final do ano passado, segundo o relatório “Tendências Globais 2019” do Acnur (Agência da ONU para Refugiados). O conflito na Síria já está no seu décimo ano. Sameh não vê perspectiva de voltar tão cedo para lá ao menos visitar a família, que não encontra desde 2012.

No mundo, segundo o relatório, uma em cada 95 pessoas está na condição de refugiada. São 79,5 milhões de pessoas nessa situação por guerras, conflitos e perseguições. O relatório foi publicado na quinta-feira (18), dois dias antes do Dia Mundial do Refugiado celebrado hoje (20). “Um número sem precedentes, jamais verificado pelo Acnur”, disse a agência em nota. No final de 2018 eram 70,8 milhões.

Com a pandemia, os desafios dos refugiados aumentaram visto a crise econômica, a questão sanitária e o fechamento de fronteiras. Miguel Pachioni, assessor de informação pública do Acnur, conta que a agência tem realizado ações específicas para promover as condições adequadas de higiene e limpeza, além de informações. “Tem uma questão muito séria de proteção relacionada aos riscos de despejo que essas pessoas eminentemente estão enfrentando, até porque se perde a renda por um lado deixa-se de pagar o aluguel”, comenta.

Ilustra a questão levantada por Pachioni o despejo de famílias haitianas que também moravam na comunidade Taquaral, em Piracicaba, reintegrada à posse do proprietário em 7 de maio, conforme lembrou Birajara Cristiano de Barros Sabino, coordenador geral da Casa do Hip Hop.

A entidade tem atendido 45 famílias haitianas, de diversas comunidades da cidade, com cestas básicas, kits de higiene e limpeza, além de agasalho durante a pandemia.

A Casa do Hip Hop continua a arrecadação de mantimentos e de agasalhos hoje (20), a partir das 10h, na rua Jaçanã Altair Pereira Guerrine, 188, no bairro Pauliceia.

Uma das pessoas que ajudou a Casa a reunir as famílias haitianas foi Dolems Desouvre, condutor de empilhadeira atualmente desempregado, que deixou o Haiti em 2013 para buscar melhores oportunidades de trabalho no Brasil.

Além do alento material, a entidade também leva informações sobre a pandemia e visa entender as necessidades dessas famílias. “A ideia nossa é aproximar eles do nosso cotidiano”, conta Sabino.

Para discutir os desafios dos refugiados durante a pandemia, o Sesc SP promove uma live hoje, às 16h, em seu canal YouTube. Além disso, também está disponível um tour virtual na exposição “Em casa, no Brasil”, que o Sesc Piracicaba recebeu no final do ano passado e que mostra como é uma unidade de habital de refugiados utilizada pelo Acnur, além de trazer depoimentos de refugiados.

Andressa Mota

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

18 + oito =