Retorno às aulas da rede pública de ensino segue sem definição

Secretaria de Educação segue o Plano São Paulo, que semana passada prorrogou o retorno para 3 de novembro (Foto: Amanda Vieira/JP)

A Secretaria de Educação de Piracicaba ainda não tem previsão para retorno das aulas presenciais na rede municipal. A pasta informou que acompanha a situação da pandemia no município e que não está confirmada a data para o retorno gradual das aulas presenciais.

Segundo a secretaria, diversos fatores são levados em consideração pelos comitês municipal e estadual que tratam das medidas de combate à pandemia do novo coronavírus.

A Secretaria de Educação do município, o comitê e o prefeito Barjas Negri (PSDB) ainda estão estudando a situação, lembrando que a rede municipal segue o Plano São Paulo, segundo informou a assessoria de imprensa da secretaria. “A Secretaria Municipal de Educação informa, porém, que não está previsto o retorno das aulas presenciais em outubro”, informou em nota.

Nos últimos 15 dias, tem sido comum o registro de crianças de um a 17 anos na lista de novos casos de covid-19 na cidade. A reportagem questionou se esse fato pode ter contribuído para a indefinição do retorno às aulas na cidade, porém, a pasta não se manifestou a respeito.

NOVOS CASOS
A Secretaria de Saúde de Piracicaba registrou nesta quinta-feira, três mortes em razão da covid-19. As vítimas são um idos de 66 anos e duas idosas, de 72 e 77 anos. Com os três óbitos, o número de mortes por covid-19 no município aumentou para 335.

Em relação aos infectados pela doença, foram mais 105 pessoas nas últimas 24 horas, sendo 65 mulheres (com idade entre 9 e 83 anos) e 40 homens (entre 2 e 72 anos), elevando o número de contaminados para 14.347. O município também registra 13.090 pessoas recuperadas da doença, 949 pessoas em tratamento, 712 casos suspeitos e 22.881 casos descartados.

COVID-19 NO ESTADO
O Estado de São Paulo registrou ontem 34.677 óbitos e 958.240 casos confirmados do novo coronavírus.

ALIANÇA PELA VACINA
O governo federal anunciou na noite de ontem a adesão ao Instrumento de Acesso Global de Vacinas Covid-19 (Covax Facility), ação administrada pela Aliança Gavi e a liberação de cerca de R$ 2,5 bilhões para viabilizar o ingresso do Brasil nesta iniciativa. Segundo o governo, os países são convidados a participar do grupo e poderão se beneficiar, ao ter garantido o acesso ao fornecimento das vacinas. Dessa forma, espera-se que o Brasil possa comprar imunizantes para garantir a proteção de 10% da população até o final de 2021.

Beto Silva

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

três × 1 =