Rios Piracicaba e Corumbataí têm menor vazão em 5 anos

Em setembro deste ano, os índices médios de vazão dos rios responsáveis por abastecer a cidade, Piracicaba e Corumbataí, foram os menores registrados para o mês nos últimos cinco anos, de acordo com dados do DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica).

Em setembro deste ano, a vazão média do Rio Piracicaba, nas estações de captação na cidade, foi de 20,09 m³/s. Em 2019: 29,29 m³/s; 2018: 26,96 m³/s; 2017: 26,12 m³/s; e 2016: 43,40 m³/s.

Já do Rio Corumbataí, no mesmo período na estação de captação do Semae (Serviço Municipal de Água e Esgoto) Piracicaba, foi de 2,68 m³/s. Em 2019: 4,75 m³/s; 2018: 5,47 m³/s; 2017: 4,77 m³/s; e 2016: 7,25 m³/s.

Próximo ano deve ser marcado por racionamento de água

O Consórcio das Bacias PCJ (Piracicaba-Capivari-Jundiaí) lembra que as vazões baixas podem impactar a qualidade e quantidade do abastecimento das cidades. Segundo o Semae, a previsão para normalizar o abastecimento na cidade é na segunda quinzena de outubro. Entretanto, em nota, a autarquia pontua que “continuaremos na estiagem, lembrando que, ainda sim, é necessário o consumo consciente, evitando desperdícios”.

De acordo com o Consórcio, a média histórica de chuva para a região das Bacias PCJ em setembro é de 83,9 mm. Porém, neste ano, choveu apenas 22,2 mm no mês, 73,5% abaixo do esperado. Em 2019 a queda no volume médio de chuva no mês já havia sido de 38%, choveu 54 mm.

De acordo com a equipe técnica do Consórcio, “a baixa nas chuvas se deve ao fenômeno La Niña, que entrou em operação no mês de setembro” e causa “precipitação abaixo do esperado nas regiões Sul e Sudeste”.

De janeiro até ontem (1), ainda segundo o Consórcio, choveu 780,4 mm na região das Bacias PCJ, representando 25% abaixo do esperado. “A preocupação do Consórcio PCJ é que, com menos chuvas, as Bacias PCJ possam ter dificuldades maiores na estiagem de 2021. Vale a pena lembrar que os anos de 2018 e 2019 também registraram precipitações abaixo do esperado na região, com 20,5% menos chuvas em 2018 e 12,5% menos chuvas em 2019”, alerta a nota.

Outro ponto que o Consórcio coloca é que o Sistema Cantareira, que é uma importante fonte de reserva estratégica para a região, está com 41% de sua capacidade “e em estado de atenção”.

PREVISÃO
Para recarregar os lençóis freáticos são necessárias chuvas contínuas por vários dias. A previsão é que só ocorra precipitação na região entre os dias 11 e 14 de outubro, além de pancadas isoladas até lá.

Andressa Mota

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

16 − 8 =