São Paulo entrega mais 1,8 milhão de doses da vacina do Butantan para o Brasil

Deste total, 410 mil doses vão ficar no Estado para dar continuidade à campanha de imunização, que já ultrapassou a marca de 333 mil pessoas vacinadas. (Foto: Governo do Estado de São Paulo/Flicker)

O Governo de São Paulo liberou nesta sexta-feira (29) novo lote com 1,8 milhão de doses da vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com a biofarmacêutica Sinovac Life Sciences, completando cronograma estabelecido com o Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde, que previa a entrega de 8,7 milhões de vacinas até 31 de janeiro.

Do total liberado nesta sexta-feira, cerca de 410 mil doses foram destinadas ao Centro de Distribuição e Logística da Secretaria da Saúde de São Paulo, seguindo critério de proporcionalidade e equidade do SUS (Sistema Único de Saúde).

“Com esse novo lote, São Paulo vai conseguir imunizar especificamente o público-alvo da sua primeira fase de vacinação, trabalhadores de saúde, os profissionais e aqueles que atuam em hospitais públicos do estado de São Paulo, indígenas, quilombolas e idosos residentes em asilos”, disse o Governador João Doria, na coletiva de imprensa realizada nesta sexta-feira no Palácio dos Bandeirantes.

Todas as doses deste novo lote destinado ao Ministério da Saúde foram envasadas, rotuladas e embaladas no Butantan a partir de matéria-prima enviada da China, e passaram por rigorosa inspeção de controle de qualidade.

Para o próximo dia 3 de fevereiro, quarta-feira, é esperada a entrega de uma nova remessa de 5.400 litros de IFA (Insumo Farmacêutico Ativo) vindos da fábrica da Sinovac para envase no Butantan, o que permitirá a produção de mais 8,6 milhões de doses da vacina, aproximadamente. Outros 5.600 litros estão em fase avançada de liberação.

Processo de envase

A fábrica, com área produtiva de 1.880 metros quadrados possui atualmente cerca de 370 profissionais, dos quais 120 foram contratados em janeiro para reforçar a produção da vacina contra o novo coronavírus. A capacidade de envase diário planejado para a vacina contra a COVID-19 é de até um milhão de doses.

O primeiro passo, a partir do recebimento da matéria-prima, é armazená-la em câmara fria e contêiner de aço inox. A partir disso, o contêiner é encaminhado para a sala de tanques para transferência do composto para a bolsa de agitação e, daí, para o tanque pulmão, onde ocorre o processo de envase.

Durante o processo de envase os frascos-ampola são lavados e esterilizados por meio de ar seco quente, passam automaticamente para a entrada da máquina envasadora e, por meio de esteiras automáticas, são posicionados nas agulhas que despejam o produto dentro dos frascos via bomba dosadora. Os frascos-ampola já com o produto são entregues pela esteira automática à Recravadora, para recebimento do selo de alumínio.

Uma terceira fase é a inspeção visual manual, rotulagem e checagem dos rótulos e, por fim, embalagem dos frascos-ampola. Por último, após o conteúdo envasado, são feitos testes de qualidade por amostragem, incluindo aspecto, pH, volume extraível, volume médio, teor de alumínio, teste de vedação, osmolalidade, identidade, conteúdo antigênico, toxicidade, esterilidade e endotoxina.

Da Redação

LEIA MAIS:

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

doze + treze =