Empresas já adotam programas voltadas à saúde do funcionário no ambiente de trabalho

A saúde mental dos brasileiros já estava em estado de alerta mesmo antes do isolamento social. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) somos o país mais ansioso do mundo e o mais depressivo da América Latina. O cenário, que já não era dos melhores, se tornou ainda mais agravante em uma situação de pandemia, em que sentimentos como angústia, estresse e incertezas podem prevalecer. Para se ter uma ideia, 53% das mulheres e 37% dos homens entrevistados por um estudo feito pela ONG americana Kaiser Family Foundation estavam mais preocupados e estressados em decorrência do coronavírus. Por isso, muitas empresas já estão colocando a saúde mental dos profissionais na lista de prioridades.

Os transtornos mentais relacionados ao trabalho e o sedentarismo afetam negativamente a saúde dos colaboradores dentro e fora das empresas. De acordo com Tomás Camargos, sócio fundador da VIK, startup que promove saúde nas empresas por meio da gamificação, é fundamental levar o bem-estar ao local de trabalho. “É preciso mostrar aos colaboradores o quanto eles são importantes naquela empresa, proporcionando momentos de lazer, atividades físicas em grupo, meditação e confraternização, tudo de uma maneira humanizada. Agora na pandemia, essas medidas tiveram que ser adaptadas, mas ainda é importante que as corporações se adéquem e não deixem essa questão de lado, pois a felicidade no ambiente corporativo se torna cada dia mais a chave para manter colaboradores engajados e a produtividade da equipe”, releva Camargos.

Grandes empresas como Falconi, IFood, MRV Engenharia e Localiza, por exemplo, já adotaram programas voltados à saúde do colaborador dentro das empresas. E essa é uma tendência que deve crescer ainda mais no “novo normal”. Hoje, 92% dos diretores de empresas no Brasil acreditam que o bem-estar dos colaboradores é um fator importante no dia a dia e trabalham com ações de saúde corporativa, segundo uma pesquisa de tendências de RH da Deloitte. E quando se fala em “saúde” também envolve bem-estar físico, mental e social, e não somente a ausência de doenças, de acordo com a OMS.

Saúde envolve bem-estar físico, mental e social

O também sócio-fundador da startup, Pedro Reis, revela que 60 mil pessoas já passaram pela plataforma da VIK e a tendência é que, até o final do ano, esse número seja dobrado. “Programas focados na melhoria da qualidade de vida impulsionam tanto o colaborador como a empresa. Investir em melhorias internas para o funcionário, como programas de gamificação, traz benefícios para todos dentro e fora do ambiente corporativo, fazendo com que os colaboradores se sintam mais saudáveis e confortáveis com seu estado físico, emocional e social. Além disso, é possível premiar os colaboradores ao final da competição proposta pelo programa escolhido”, conta.

Trabalhador feliz é, em média, 31% mais produtivo, três vezes mais criativo e vende 37% a mais em comparação com outros. É o que diz um estudo realizado pela Universidade da Califórnia. “Trazer humanização e integração para as empresas está entre os principais pontos que levam qualidade de vida e satisfação para os colaboradores, investir na melhoria do clima organizacional e também entender/valorizar cada um na equipe, pode ser a chave para levar felicidade a sua empresa. E não se esqueça: atividade física libera endorfina, invista nisso!”, enfatiza Camargos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

5 + nove =