Sem definição para setor de bares e restaurantes, prefeito volta a se reunir com MP nesta quinta (28)

Foto: Claudinho Coradini/JP

Sem definição a respeito da situação do setor de bares e restaurantes, o prefeito Luciano Almeida (DEM) e integrantes do MP-SP (Ministério Público do Estado de São Paulo) voltam a se reunir nesta quinta-feira (28). Segundo nota da prefeitura, o Executivo visa ajustes nas regras do Plano São Paulo para Piracicaba.

Na noite de quarta-feira (27) o chefe do executivo se reuniu com integrantes do MP-SP, mas não foi “possível concluir as tratativas em busca destes ajustes nas regras”, disse a prefeitura em nota. A reunião durou quase três horas, com início às 18h e fim pouco antes das 21h, assim assim não chegaram a um consenso. “Ocorrendo a possibilidade de ajustes, um novo Decreto Municipal será publicado na sexta-feira”, complementou.

LEIA MAIS:

O setor solicitou em carta ao prefeito tolerância de duas horas no atendimento presencial, incluindo bares – que na fase laranja estão proibidos de receber os clientes no local. “Solicitamos, assim, ao senhor prefeito que tente nos ajudar com tolerância no fechamento em duas horas, nos proporcionando um fechamento não tão rigoroso, para os bares e restaurantes”, diz a carta.


Segundo Arnaldo Azzali Júnior, presidente do Sindicato Hotéis, Bares e Restaurantes de Piracicaba e Região, o setor também deseja funcionar de segunda a segunda. Na última atualização do Plano São Paulo, feita pelo governador João Doria (PSDB) na sexta-feira (22), todo o Estado deve regredir à fase vermelha nos próximos finais de semana. A justificativa do governador é o aumento de casos da covid-19 e consequente ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) no estado.


Na carta, o setor afirma ainda que o setor não pode pagar se o governo não ‘organizou o sistema de saúde’ com o fechamento mais restritivo no primeiro semestre do ano passado. Reiteram ainda que fechar bares e restaurantes à noite e aos fins de semana “só vai aumentar a aglomeração nas festas em residências”.

Andressa Mota

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

3 × 2 =