Com clima seco, a distribuição de água “está crítica” | Foto: Amanda Vieira/JP

A estiagem não tem dado trégua e, segundo o Semae (Serviço Municipal de Água e Esgoto), em função do clima seco, a situação na distribuição de água “está cada vez mais crítica em Piracicaba”. Em nota divulgada ontem (2), a autarquia pontuou diversos bairros que sofreriam com instabilidade no abastecimento durante a sexta-feira e que a situação perduraria durante o final de semana na área rural do bairro Glebas Califórnia, a região do Altos do Pau D’Alhinho e Recanto dos Pássaros.


Questionado se será realizado racionamento de água na cidade ou se o Semae estuda a possibilidade, a autarquia informou que “qualquer outra medida adotada pela autarquia será amplamente divulgada”.

Outros pontos citados pela autarquia que apresentam instabilidade de abastecimento, em especial ontem, são Jardim Bartira, Peoria , área rural do bairro Dona Antônia, Monjolinho, Sete Barrocas e Passa Cinco e região mais periférica e rural do bairro São Jorge, onde se encontram o Recanto Nova Suíça, Volta Grande, Glebas São Geraldo, Alpes Suíço, Cristal Suíço e outros.
Para registrar a falta de água, a população pode contatar o Semae 24 horas pelos telefones 3403-9611, 0800-7729611 ou 115.

Em outra nota também publicada ontem, o Semae lembrou que enfrenta dificuldades para manter a cidade abastecida por causa da estiagem e que os rios Piracicaba e Corumbataí tiveram os índices de vazão mais baixos dos últimos cinco anos em setembro.

A autarquia pontuou ainda as altas temperaturas dos últimos dias, que devem continuar na próxima semana, e aumentar a demanda por água junto à pandemia.

“O Semae está alinhado à Agência PCJ para providências futuras, em um estudo que define ações contra risco de falta de água na Bacia do Rio Corumbataí nos próximos 20 anos”, diz ainda em nota, que pede o uso consciente do recurso pela população.

Andressa Mota

[email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

treze − oito =