Serviço de transferência do Banco Central impacta no consumo

Os comerciantes têm se preparado, pois foi necessário adaptação devido às compras feitas com o dinheiro do Auxílio Emergencial (Foto: Amanda Vieira/JP)

A partir de 16 de novembro, o Banco Central (BC) vai disponibilizar o PIX, que é um novo serviço para transferência bancária instantânea. A expectativa é alta pois será possível se ver livre dos custos das transações bancárias, como o TED e o DOC, que além de cobrar, têm limite de valor, horário e dia da semana para movimentação do dinheiro. O novo serviço do BC também vai possibilitar pagar compras no comércio com a leitura de um QR Code.

Na prática, o que os comerciantes esperam é a redução das despesas na empresa com transferências bancárias e taxas de operação das máquinas de cartão de débito e crédito, para passar o produto ou serviço com valor mais atrativo ao consumidor.

Para o cliente, sem gastar com TED ou DOC, significa mais dinheiro no bolso para movimentar a economia. Essa análise é feita pelo presidente da Acipi (Associação Comercial e Industrial de Piracicaba), Luiz Carlos Furtuoso, que espera que o BC realmente entregue um novo serviço dinâmico e sem taxa.

“Realmente se for como está sendo divulgado, sem custo, com a rapidez, sem depender do dia da semana e horário, então isso é muito interessante. […] Nós precisamos diminuir realmente burocracia, custo desnecessário e usar a tecnologia para que o consumidor possa ficar com o que ele ganha na mão para poder consumir. Se ele consome, gera emprego na indústria, no comércio, você movimenta a economia mais saudável e não de forma direcionada para poucos”, comenta Furtuoso.

O presidente da Acipi avalia ainda que, durante a pandemia, os comerciantes já se preparam para o uso da nova tecnologia, pois foi necessário adaptação para receber as compras feitas com o dinheiro do Auxílio Emergencial. “Exigiu um pouco de avanço para as empresas. Os R$600, antes precisava ir no banco pegar, agora ele movimenta isso no comércio. Teve que ter um avanço nos equipamentos”, explica.

As transferências com o PIX serão feitas por meio da “chave de endereçamento”, vinculada ao número do celular, e-mail ou CPF/CNPJ da conta bancária. A chave poderá ser criada a partir de 5 de outubro nos aplicativos das instituições bancárias.

Andressa Mota