Setembro registra pior índice de vazão do rio dos últimos 3 anos

Vazão do mês está 66% abaixo do esperado para a época (Foto: Amanda Vieira/JP)

A vazão média do Rio Piracicaba até a metade de setembro é a menor dos últimos três anos e, até o dia 15 do mês, ela também estava 66% abaixo da esperada para essa época.

Dados do Daee (Departamento de Águas e Energia Elétrica), a vazão média do Rio Piracicaba na cidade até 15 de setembro deste ano é de 19,5 m³/s, enquanto que no mesmo período de 2019 era de 29,2m³/s e, em 2018, 26,9 m³/s. Já a vazão média esperada para o més é de 58,2 m³/s. Segundo informou o órgão em nota, a vazão do rio continua em baixa, mas pode superar a média do mês caso ocorram “eventos chuvosos” na segunda quinzena.

De acordo com o meteorologista Bruno Bainy, do Cepagri (Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura) da Unicamp, há previsão de chuva para a região por volta do dia 20 deste mês, com a chegada de uma frente fria. Enquanto o período de estiagem não passa, a população sente na pele o longo período sem chuva na região com o desabastecimento nas casas. A expectativa do Semae (Serviço Municipal de Água e Esgoto) é que o problema se regularize na segunda quinzena de outubro. “Segundo a previsão dos institutos meteorológicos, indicam a incidência de volume de chuvas significava no mês outubro”, disse a autarquia em nota.

Enquanto a chuva não vem, o leito baixo do Piracicaba deixa os bancos de areia e pedras visíveis em vários trechos.

Andressa Mota