Setembro

Fundo foto criado por bedneyimages – br.freepik.com

Toda mudança ameaça a estabilidade. É Outra razão porque relutamos tanto em aplicar novas invenções. Toda descoberta em ciência pura é potencialmente subversiva; mesmo a ciência, às vezes, deve ser tratada como um inimigo”. (Aldous Huxley)

Recebi um e-mail de pessoa muito querida reclamando sobre meu artigo Agosto, pois ela casou-se num 8 de agosto. Consolou-se, em parte, porque o dia 8, para os chineses é dia de sorte e de prosperidade. Cabe saber quais supersticiosos estão mais certos, se é que se pode assim falar, em suas superstições.

Assim como aconteceram em agosto alguns infaustos acontecimentos que ocorrem em qualquer outro mês do ano, desgraças e os mais variados infortúnios para pessoas e países.

Iniciamos, hoje, a segunda semana de setembro; observem alguns acontecimentos nefastos ocorridos: 1º de setembro de 1939, os alemães invadiram a Polônia, sem declaração prévia, provocando a Segunda Grande Guerra Mundial, que completou a destruição iniciada pela Primeira, tirando dos países europeus a liderança, e transferindo-a aos EUA. O Japão rendeu-se aos aliados, após o lançamento de duas bombas atômicas, em Hiroshima e Nagasaki em 1º de setembro de 1945. Um grande incêndio iniciado em 2 de Setembro, que se prolongou por mais três dias, destruiu três mil casas em Londres. Durante a Revolução Francesa os Massacres de Setembro, com 1200 mortos, iniciaram-se em 2 de setembro. Em 4 de setembro de 476, Odoacro, rei dos Hérulos, antigo aliado de Átila, rei dos Hunos, depôs o último imperador romano, Rômulo Augustulo. Onze membros israelenses da delegação aos Jogos Olímpicos de Munique foram assassinados em 5 de setembro de 1972. O exército alemão iniciou o cerco à cidade de Leningrado em 8 de setembro de 1941, vitimando um milhão de civis. Em 11 de setembro de 2001, ataques terroristas destruíram as duas torres do World Trade Center de Nova York, além de danificarem o Pentágono e derrubarem o avião 93 de United Airlines.

Vamos parar por aqui, e acredito já ser o bastante, pois para até o último dia deste mês falta muito, e há acontecimentos nefastos de sobra. Na realidade, escrevi sobre setembro porque desejo especular sobre as “Viradas da História”.

Os livros didáticos costumam dividir o tempo histórico, certamente com a intenção de facilitar seu estudo. Dividem-no em: História Antiga, Medieval, Moderna e Contemporânea.

Estabeleceu-se, como início da história, 4.000 a.C. (invenção da escrita). Nossos alunos, em seu programa escolar, estudam, na História Antiga: as primeiras grandes civilizações do Egito e da Mesopotâmia; incluem-se ainda Hebreus, Fenícios, Persas, Gregos e Romanos. Outras civilizações não estão incluídas.

A data escolhida como finalizadora da Idade Antiga é 476 d.C. (queda do Império Romano do Ocidente). O balizamento para a Idade Média é 476 até 1453. Ainda para facilitar os estudos, esse período foi divido em: Alta Idade Média, do século 5 ao 10, quando sucessivas invasões bárbaras, povos que habitavam fora do Império Romano, destruíram praticamente tudo. Do século 11 aos 15, chamou-se Baixa Idade Média, foi o período da reconstrução, diminuição das guerras, aumento da produção agrícola e da população, renascimento das cidades (burgos), florescimento do artesanato e do comércio. Surgiu uma nova classe social, a burguesia, que ajudou os reis a submeterem os senhores feudais e a formarem os Estados Nacionais. De 1453 a 1789, chamou-se de Idade Moderna.

Sem dúvida, entramos numa nova era, entramos mal,esta Pandemia que derruba cadáveres como as folhas do outono e em véspera de eleições cujos concorrentes, em grande parte querem o cargo para dele usufruírem, não para o bem da Nação.