Sintomas da menopausa causam impactos físicos e psicológicos

Período pode estar relacionado com a queda da autoestima, alteração de humor e dificuldade de dormir. (Foto: Studio Café)

Inevitável e em alguns casos causadora de uma série de incômodos, a menopausa é um acontecimento natural na vida de todas as mulheres. Pode ocorrer a partir dos 40 anos, mas a média de idade é por volta dos 50 anos.

“É definida como a última menstruação da mulher e geralmente é confirmada após 12 meses consecutivos sem menstruação”, explicou Milena Goes, ginecologista e obstetra da Santa Casa e do Centro de Reprodução Humana de Piracicaba.

De acordo com a médica, a menopausa está associada à redução progressiva do funcionamento dos ovários. “Acontece com todas as mulheres com o decorrer dos anos, resultando na diminuição dos níveis de estrogênio e de outros hormônios”.

Antes de entrar definitivamente na menopausa, a mulher passa por uma fase de transição conhecida por climatério. Esse período é marcado principalmente pelo declínio da função reprodutiva e irregularidade da menstruação. Esse último, por sinal, é o primeiro sintoma de que a menopausa está próxima.

Na sequência, de acordo com a ginecologista, surgem os sintomas vasomotores, que são as famosas ondas de calor acompanhadas de suor e vermelhidão do rosto. “Essa queixa pode ocorrer várias vezes ao dia, com duração de dois a três minutos. E nos casos mais severos acontecem durante o sono, acarretando dificuldade para dormir e oscilação de humor”, afirmou Milena.

A queda dos hormônios femininos também repercute na pele, cabelo e unhas. Os cabelos podem ficar mais finos e sem brilho; as unhas quebradiças e a pele mais seca, sem tônus e flácida. Com o passar do tempo, os sintomas podem se agravar com a atrofia e secura vaginal, além de dor e desconforto na relação acompanhada de sintomas urinários.

“Os sintomas podem ser muito variáveis, desde mulheres muito sintomáticas e outras que passam por essa fase de forma mais amena. A questão está em como essa mulher será impactada por essas mudanças”, explicou Milena.

Segundo a ginecologista, a menopausa é um período geralmente bastante delicado para as mulheres, que podem ter baixa autoestima e síndrome do ninho vazio. “É preciso olhar com atenção para essa mulher. O objetivo do tratamento é a melhora na qualidade de vida. Cada mulher é única e o tratamento deve ser individualizado”, afirmou.

TERAPIA HORMONAL

O uso de hormônios é indicado em quatro situações: para amenizar as famosas ondas de calor; no caso de atrofia e secura vaginal; como forma de prevenção da perda de massa óssea e das fraturas da osteoporose; e se ocorrer menopausa precoce.

“Diversos trabalhos demonstram que os hormônios podem ter efeito cardioprotetor, melhorar valores de colesterol e prevenir o desenvolvimento de diabete em mulheres saudáveis na menopausa. No entanto, não é indicado o uso exclusivamente para esses benefícios”, enfatizou Milena.

Entre as contraindicações estão pacientes com câncer de mama e de endométrio; com alto risco de trombose; doença coronariana e cerebrovascular; entre outras.

Além dos hormônios, as mulheres podem recorrer a fitoterápicos, que aliviam os calores, a dificuldade para dormir e a irritabilidade. “Em alguns casos pode ser necessário o uso de antidepressivos e ansiolíticos”, afirmou a ginecologista.

Especialistas também recomendam a prática de atividade física regularmente para melhorar a qualidade do sono, fazer com que o corpo produza mais endorfina e serotonina, que, por sua vez, reduzem pensamentos negativos e sentimentos de depressão.

Milena explicou que a paciente que se encontra na fase de transição da menopausa inicia uma desaceleração do metabolismo, com maior tendência a ganho de peso. “Portanto, é necessária uma mudança de comportamento e de hábitos alimentares”, disse. Ela destacou ainda que “a menopausa é um período de mudança – mudar o estilo de vida faz a diferença na longevidade e no planejamento de uma maturidade mais saudável”.

TPM

Inchaço, dores nas mamas, falta de paciência, sensibilidade, entre outros. Sintomas clássicos da famosa TPM (Tensão Pré Menstrual), que ocorre devido a alterações intensas nos níveis hormonais.

Segundo a ginecologista e obstetra da Santa Casa, a maioria das pacientes apresenta sintomas leves que não interferem nas atividades diárias. “Mas é possível amenizar os incômodos dessa fase. Por exemplo, com mudanças de hábitos de vida e prática de atividade física que, em geral, aumenta a endorfina, que alivia as dores, relaxa, trazendo a sensação de bem-estar”.

Ana Carolina Leal
[email protected]

LEIA MAIS:

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

dezesseis + 6 =