Sobem para 12 os casos de gripe H1N1 na cidade

12 casos Secretaria de Saúde pede que população se conscientize da importância da vacina.

Secretaria de Saúde pede que população se conscientize da importância da vacina. (Amanda Vieira/JP)

 




Subiram para 12 os casos de pessoas que contraíram a gripe A/H1N1 e para seis os casos de A/H3 sazonal na cidade. Deste total, três pessoas já vieram a óbito pela gripe A/H1N1. A informação foi divulgada ontem pela Secretaria Municipal de Saúde que também confirmou 60 notificações de casos de gripe (influenza) na cidade.

Segundo a pasta, os óbitos são de um homem com idade entre 30 e 39 anos, morador na Região Oeste, uma mulher na faixa etária entre 50 e 59 anos, residente na Zona Leste, na semana passada, e de uma paciente entre 50 e 59 anos de idade, no início do mês. Conforme explicou a assessoria da Saúde municipal, os dois últimos pacientes que foram a óbito apresentaram os sintomas nos meses de maio e junho, a exemplo da primeira morte.

Param manter a população vacinada contra a gripe (influenza), a prefeitura segue orientação do Ministério da Saúde e ampliou os grupos prioritários para imunização. Desde o fim do mês de junho os adultos de 50 a 59 anos e as crianças de cinco a nove também podem buscar a vacina. “Até o momento, a cobertura vacinal atingiu 76,75%, com 65.394 doses aplicadas para os grupos prioritários. A meta do MS é de 90% para esses grupos, por isso, a campanha continua”, informou.

Além dos grupos citados, são prioridade crianças entre seis meses a menores de cinco anos; gestantes de qualquer idade gestacional; puérperas (até 45 dias após o parto) se não vacinadas quando gestantes; trabalhadores da saúde (todos os trabalhadores de saúde dos serviços públicos e privados, nos diferentes níveis de complexidade); indígenas; pessoas com doenças crônicas – com apresentação de carta médica ou receita; pessoas com 60 anos ou mais, e professores e funcionários das escolas públicas e privadas (ensino básico e superior). “No grupo prioritário, o que teve maior cobertura vacinal foram os idosos, com 83,85%, sendo 35.764 doses aplicadas. O que teve menor cobertura é o de crianças com idade entre seis meses e 4 anos, com 53,94% e 11.271 doses aplicadas. Pessoas com comorbidades somaram um total de 10.162 doses”, completou a assessoria da pasta.

Em entrevista ao JP na semana passada, o secretário de Saúde, Pedro Mello, destacou que as pessoas precisam se conscientizar da importância da vacina, já que o índice de letalidade em caso de síndrome respiratória decorrente da gripe pode chegar a 20% das vítimas. “E as pessoas mais afetadas são aquelas que compõem os grupos prioritários, agora ampliados. Por isso, costumo enfatizar que, no caso da gripe, a morte é evitável, desde que os grupos prioritários procurem os postos de saúde e se protejam”, afirmou.

 

(Felipe Poleti)