Sobre a natureza humana

Por André Salum

Desde a infância, a partir de quando tomamos consciência de nossa individualidade, começa um processo de identificação com diversos aspectos do nosso ser. Na sociedade predominantemente materialista, imediatista e consumista em que vivemos essa identificação se dá com nossos aspectos mais superficiais. Somos estimulados pelas demais pessoas, pela sociedade, pela mídia e pela propaganda a nos identificarmos com o corpo físico, a aparência e as funções que exercemos, com atividades familiares, profissionais, sociais, religiosas. A não ser que estejamos em atenta busca de nos conhecer em profundidade, nos identificamos de modo crescente com tais condições.
Além da identificação com a forma física e tudo o que dela decorre, podemos nos identificar com padrões de pensamentos, de reatividade, com ideologias e preconceitos, o que, em determinado ponto da jornada evolutiva, precisa ser transcendido. Nossa mente, com suas ideias, crenças, preconceitos, temores e ambições (muitos dos quais herdados de passado remoto e cristalizados) vai sendo moldada, muitas vezes sem que nos apercebamos do quanto reproduzimos aquilo que atende a interesses diversos, muitas vezes indignos. Ao nos submetermos a tais condicionamentos, limitamos nossa expressão anímica e passamos a apresentar comportamento formatados segundo padrões e influências nem sempre nobres ou saudáveis.
Precisamos de um certo nível de percepção livre e lúcida para que possamos enxergar os fatos, compreender as relações e o que existe além das aparências e perceber, tanto quanto nos seja possível, as lições e os aprendizados intrínsecos a cada situação da vida.
Da mesma forma que devemos cuidar da integridade e da saúde físicas através de movimento, repouso, alimentação e higiene, torna-se necessário cuidar da higiene emocional e mental.
Em certa fase do desenvolvimento consciencial, a mente racional torna-se incapaz de resolver muitos dos complexos problemas existenciais. A atuação da mente certamente é necessária, desde que funcione com lucidez e clareza, porém não é suficiente, pelas suas próprias limitações, pois são necessárias outras percepções e diferentes ferramentas que provêm do interior, como a intuição. A verdadeira intuição (não as fantasias nem a simples projeção das próprias ideias) que brota do mais profundo do ser trazendo percepção clara e aguçada traz respostas que a mente convencional é incapaz de proporcionar.
À medida que nossa percepção interior se torna mais aguçada, retiram-se sucessivamente os véus, primeiro os mais grosseiros, permitindo-nos acessar, reconhecer e valorizar dimensões cada vez mais sutis da vida e de nós mesmos.
Através dessa jornada interior vamos nos descobrindo, tanto quanto aos demais, como vida e consciência, e por essa percepção e compreensão mais profundos as barreiras que nos separavam, criadas por nossa própria ignorância, gradualmente se desfazem, perdendo o sentido e o poder que até então lhes atribuíamos.
O reconhecimento desse processo e a consequente libertação que proporciona podem ser compreendidos como sendo de natureza religiosa, permitindo-nos ver mais claramente nossa realidade espiritual, despertando e fortalecendo um genuíno senso de fraternidade e consequentemente de compaixão, respeito, paz e harmonia, cooperação e celebração da vida, o que é ao mesmo tempo educativo e curativo, ao erradicar do nosso coração o tanto de egoísmo que ainda nos impede de conviver como irmãos da imensa família humana.

LEIA MAIS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

dezenove − 4 =