‘Temos que comemorar nossa história de luta, mas precisamos de melhorias’, cobra líder comunitário

Foto: Amanda Vieira/JP

Crescimento desordenado devido ao surgimento de bairros ao redor de Tupi traz transtornos no dia a dia

Morador de Tupi e líder comunitário, Carlos José Marco da Silva, o Chitão, usou a Tribuna da Câmara de Vereadores em maio para fazer cobranças ao poder público. Ele conversou com o JP sobre o centenário do distrito e citou o que crescimento desordenado proporcionado pelo surgimento de bairros ao redor de Tupi, mesmo com seu nascimento inicialmente planejado, gera transtornos ao trânsito e ao dia a dia em geral. Além disso, ele aponta falta de uma área de lazer no bairro Jardim Bartira; ausência de linhas extras ônibus e problemas com o abastecimento de água no bairro Santa Isabel. “Temos que comemorar nossa história de luta, a muitas mãos. Enaltecer essas famílias que estão aqui desde o início do bairro, que sempre moraram longe da cidade e criaram filhos, netos e bisnetos que ainda estão aqui. Nossa história que tem que ser preservada”, diz Chitão, que destaca a união da comunidade quando a estação de trem quase foi demolida, na década de 90. “Um grupo de moradores tomou a iniciativa de mantê-la, de impedir isso. Em 1996 conseguimos a reforma da estação”.

O líder comunitário elenca as belezas de Tupi: bairro planejado, com ruas largas, arborizado, possui terrenos com testada mínima 10 metros, “além da igreja, do campo de futebol e a escola abrangem o quarteirão todo. Foi a Câmara Municipal que planejou o bairro”, diz.

Mas onde começam os problemas estruturais? Chitão explica que no fim dos anos 70, começaram as surgir os vizinhos Bairro Peória, Jardim Bartira, Tijuco Preto e, anos depois, o Santa Isabel. “Esses bairros inflaram a capacidade do trânsito, da nossa escola, e do sistema de transporte. Precisamos de mais duas salas de aula e de mais linhas de ônibus. Algumas linhas foram desativadas por causa da pandemia e não retornaram. Sem falar na questão do abastecimento de água. Em 1960 inaugurou o primeiro poço artesiano de Tupi, que hoje está desativado, e depois mais três poços para dar conta da demanda. Esses bairros foram crescendo de forma desordenada e os serviços públicos não conseguem atender a todos. Faltam, também, áreas de lazer. O prefeito Luciano Almeida veio até aqui e se comprometeu a fazer investimentos. Ficamos esquecido nos últimos anos, mas parece que nesta gestão, a situação tende a melhorar”, pontua.

Sobre o desabastecimento de água, o problema ocorre pela inexistência de ligação entre a rede e a estrutura das casas no bairro Santa Isabel. Chitão diz que o Santa Isabel, territorialmente, é maior que Tupi, Bartira e Peória juntos. Conta com mais de 1.300 moradores. “O Santa Isabel tem ruas com ligações de água, mas o Semae não faz a reativação. A prefeitura diz que o Ministério Público não permite”.

Ele ainda pede recapeamento em várias ruas de Tupi e conclui: “um bairro quando faz 100 anos merece melhorias. A praça, por exemplo, está com iluminação deficiente. Sentimos falta de um presente para o bairro”.

AMOR POR TUPI
Dona Ondina Furlan Bachin, 93 anos, mora em Tupi há 60 anos. Mudou para o distrito após se casar. “Meu marido era daqui. E aqui me enraizei e tive meus quatro filhos. Muitas festas foram comandadas por mim, sempre participei de tudo. É um orgulho”, diz ela, que é uma das moradoras mais conhecidas da “cidade de Tupi”. “O povo daqui é uma família só, todos me respeitam, é lugar bom. Na hora de comer, trocamos prato de comida (risos)”. Dona Ondina gosta tanto de Tupi que não reclama de nada. Diz que não tem algo que precisa melhorar. “Está tudo organizado por aqui. Tupi é bem cuidado”, comemora ela.

Dona Ondina Furlan Bachin, 93, mora em Tupi há 60 anos. Foto: Amanda Vieira/JP

Horto fará 100 anos em 2023; são 198 hectares de muito verde

O historiador Antonio Carlos Angolini luta para que Tupi amplie seu potencial turístico. “Isso já está acontecendo: temos Horto, o Vale das Águas, a Copa ECPA de Velocidade, cantinas, restaurantes bons. Mas precisamos fomentar ainda mais nosso bairro”. Ele destaca também o desenvolvimento dos bairros Parque Peória e Jardim Bartira e do Condomínio Portal do Horto. “O volume de casas que está sendo construída é espantoso para nós. Quantas moradias estão surgindo aqui!”.

O Horto Florestal é um dos principais motores do turismo de Tupi. Possui 198 hectares de ar puro e muito verde. É um pedaço da Mata Atlântica em plena Piracicaba. O ambiente é propício para passeios, piquenique, pescas artesanais e utilizado, também, para diversos estudos ambientais. O horto ou a Estação Experimental de Tupi é uma área protegida pelo Estado de São Paulo. A administração do local é feita em parceria com a Prefeitura de Piracicaba. Em 2023, o Horto completa 100 anos.

Estação Experimental de Tupi é área protegida do Estado. Foto: Amanda Vieira/JP

Nani Camargo
Especial para o JP

LEIA MAIS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

três + 16 =