Tempo seco e estiagem permanecem até final do mês

Foto: Alessandro Maschio/JP

Falta de chuva tem sido sentida desde o mês de março

A população do Estado de São Paulo tem pergunta quando vai chover para aliviar a secura do ar e do solo, assentar a poeira suspensa, piorando a qualidade do ar. A outra pergunta é quando virá o frio do inverno. Por enquanto, segundo a previsão do tempo, nenhuma mudança ou novidade à vista para as duas perguntas.

Segundo Climatempo, a grande massa de ar seco que vem predominando sobre o país e atuando fortemente sobre a Região Sudeste, ficou ainda mais forte nos últimos dias e mantém as condições para o bloqueio atmosférico que impede que as frentes frias avancem com força para o Sudeste.

Segundo o órgão, não chover em julho no Sudeste é algo relativamente comum. A climatologia mostra que este é um mês de baixíssimas médias de chuva, que não passam de 60 milímetros mensais, para a maioria das áreas da Região.

O problema é que a falta de chuva vem sendo sentida desde março.

Agora, a chance de chuva já normalmente baixa e possibilidade de alguma chuva fica ainda mais remota, com a atuação do forte bloqueio atmosférico.

A primeira quinzena de julho fechou com grande parte do Sudeste acumulando de 70 a mais de 100 dias sem ocorrência de chuva igual ou acima de 10 milímetros em 24 horas.

Até o fim de julho, os poucos episódios de chuva poderão ocorrer em algumas áreas do litoral, em dias onde houver um eventual aumento do vento marítimo.

Nesta situação, segundo o Climatempo, tem-se um aumento da concentração de ar úmido nas áreas próximas ao mar, o que favorece o desenvolvimento de nuvens de chuva.

Os mapas mostram a previsão de acumulado de chuva para o período de 20 a 24 e de 25 a 29 de julho no Brasil.

Na Região Sudeste, a chance de alguma chuva é considerada apenas em áreas costeiras, mas que não devem passar de 10 milímetros em cada período.

Da Redação

LEIA MAIS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

1 × dois =