TG cria projeto para inserir jovens no mercado de trabalho

Tiro de Guerra Primeiro-sargento do Exército, J. Veiga, é chefe de instrução do TG em Piracicaba. Crédito: Felipe Poleti/JP)

O Tiro de Guerra de Piracicaba 02-028 está em busca de parcerias com empresas da região para profissionalizar os jovens atiradores e encaminhá-los ao mercado de trabalho. O projeto está entre os planos de gestão do novo instrutor-chefe, o 1o sargento João Marcos Oliveira Veiga.

Veiga evidencia a preparação que o Tiro de Guerra fornece aos atiradores focando em disciplina. “A gente exige pontualidade, responsabilidade, liderança, pró-atividade, respeito. […] Achei uma ideia muito boa a gente continuar com esse trabalho, mas também dar a eles um caminho melhor na profissionalização”, contou em visita à redação do Jornal de Piracicaba.

As empresas interessadas em fazer parceria com o Tiro de Guerra podem entrar em contato pelo telefone (19) 3426-6337. A base do TG fica na rua Anhanguera, 362, no bairro Morumbi.

Conforme conta Veiga, os atiradores relatam dificuldades na hora de encontrar emprego durante o serviço militar. Mas o sargento afirma que a partir das 8h os jovens estão livres para atividades profissionais e acadêmicas. “O atirador é diferenciado do soldado. O soldado é convocado para trabalhar nas Forças Armadas […], entra às 8h e sai às 18h. Já o atirador é convocado e trabalha das 6h às 8h. Doravante eles estão livres para trabalhar e estudar. Então o empresário não perde o seu funcionário. Muito pelo contrário, ele recebe um funcionário que está sendo lapidado para um crescimento até mesmo dentro da própria empresa”, comenta.

Para participar dos cursos, os atiradores serão orientados segundo suas aptidões para a escolha profissional.
As atividades para a nova turma de atiradores do TG de Piracicaba terão início em 7 de março, às 9h, com a solenidade de matrícula. Dos 3.400 jovens que se alistaram em 2019, 100 serão matriculados após processos de seleção.

 

RESGATE HISTÓRICO
Em 2020, as instalações do Tiro de Guerra em Piracicaba completam 75 anos. Pensando nisso, Veiga também tem a intenção de implementar um espaço cultural na unidade, com fotos de cerimônias e antigas turmas de atiradores, além de registros históricos do Exército na cidade. “A gente está querendo resgatar essa história”, conta Veiga. “Se a gente montar um acervo fotográfico, um centro histórico, pode até ser uma oportunidade das próprias escolas visitarem”, afirma.

 

Andressa Mota

[email protected]