Tupi se compromete em recontratar ex-funcionários da Via Ágil

Imagens: Amanda Vieira/JP
Os direitos trabalhistas decorrentes da rescisão com a antiga empresa serão pagos pela prefeitura, segundo sindicato. Imagens: Amanda Vieira/JP

Após a rescisão contratual entre a Via Ágil e a Prefeitura, a empresa Tupi (Transporte Urbano Piracicaba) assumiu o transporte coletivo da cidade no último sábado (16), com cerca de 300 funcionários da antiga empresa e contratará os demais seguindo critérios administrativos conforme a frota volte ao normal. Esse foi o combinado com o Sindicato do Transporte Urbano de Piracicaba e Região e a Prefeitura. O acordo também foi de que o poder público arque com as despesas rescisórias dos trabalhadores, segundo informou o presidente do sindicato, João José Soares.

A Via Ágil tinha cerca de 600 pessoas no seu quadro de funcionários, segundo Soares. “Todo o passivo trabalhista vai ser pago pela prefeitura. E a gente está fazendo hoje [21 de maio] fundo de garantia e o seguro-desemprego para quem tem. E a gente está fazendo ação agora pra cobrar da prefeitura que foi o que nós combinamos”, informou.




O sindicato começou ontem (21) a homologar para requerer a liberação de 40% do FGTS e o seguro-desemprego para aqueles que têm direito. “Para eles não ficarem sem dinheiro até esse vírus passar”, complementa o sindicalista.

Um dos motoristas que espera ser contratado pela Tupi e aguarda o seguro-desemprego é Lourival Correia da Silva, que atuou na Via Ágil por seis anos. Ele estava afastado por fazer parte do grupo de risco da covid-19. Quando recebeu a notícia da rescisão contratual, Silva ficou preocupado com o destino dos funcionários, pois recordou de casos em outras cidades em que as empresas do transporte coletivo rescindiram contrato com a prefeitura e os trabalhadores não tiveram os direitos trabalhistas garantidos.

“Eles fizeram um pedido de desculpa [Via Ágil], [mas] já havia um trabalho muito grande do sindicato em cima disso para que se preservasse o trabalhador e o emprego dele no possível. Então a gente só teve que esperar e agora estamos fazer a rescisão […] na realidade não ficamos abandonados”, diz. Silva espera que, durante os cinco meses do seguro-desemprego, a pandemia termine. A Tupi já entrou em contato com ele para explicar como se dará a contratação dos funcionários.

De acordo com a empresa, currículo e experiência profissional serão levados em consideração na contratação, que será feita de “forma gradativa”. “A empresa está se organizando para realizar a contratação de grande parte dos funcionários da Via Ágil, conforme acordado como sindicato e a Prefeitura”, diz em nota.

CÂMARA

O presidente da Câmara dos Vereadores, Gilmar Rotta (PSDB), pediu à prefeitura, por meio de requerimento na segunda-feira (18), mais informações sobre a rescisão contratual com a Via Ágil e os trâmites para a contratação da Tupi. A partir do recebimento, que ocorreu na quarta-feira (20), a prefeitura tem 15 dias para responder, segundo informou a Câmara por meio da assessoria de imprensa.

Andressa Mota