Um jornalista e toda uma nação

Foto: Pexels

por Edson Rontani Júnior, jornalista e vice-presidente do IHGP

Dizem que palpite, todo mundo dá. O brasileiro, como bom palpiteiro, sabe muito bem o que é isso. Jornalista televisivo em época de Copa América, diante de tanta celeuma que tivemos dias atrás, é um exemplo mais que preciso desta questão. Nas transmissões das partidas de futebol vemos comentaristas, narradores e outros donos do microfone emitindo opinião de tudo como se fossem, na prática, os maiores experts da pelota.
Há exatos 51 anos atrás, o Brasil rendeu-se a um jornalista que teve em suas mãos toda a nação. Na verdade, eram 90 milhões que torciam pela Seleção Brasileira a qual seria tricampeã no Mundial de Futebol em 1970. A equipe estava pronta para ser comandada por um jornalista. Este era João Saldanha, natural de Alegrete, Rio Grande do Sul, nascido em 1917. Seu primeiro contato com o futebol foi tomado quando criança, no campo do Atlético Paranaense, distante dois quarteirões de sua residência. Foi jogador profissional do Botafogo carioca. Formou-se em direito e estudou jornalismo, atuando no rádio e na televisão. Tinha uma língua muito ácida, não poupando críticas aos cartolas, aos jogadores … a tudo que visse pela frente. Inclusive à sua sombra.
Em plena época da ditadura militar, João Saldanha foi convidado pela CBD (hoje CBF) para dirigir a Seleção Brasileira de Futebol. Isso devido à experiência também adquirida como treinador desde 1957, quando se tornou técnico do Botafogo, campeão carioca daquele ano.
João Havelange, presidente da CBD, que de bobo não tinha nada, colocou um jornalista na intenção de que os colegas da imprensa criticassem menos a seleção canarinha. Conseguiu formar a equipe conhecida por as “feras do Saldanha”, sendo uma seleção na qual maioria dos jogadores era do Santos e Botafogo, os melhores times do final dos anos 60.
As feras eram Cláudio; Carlos Alberto Torres, Djalma Dias, Joel e Rildo; Piazza e Gerson; Jairzinho, Tostão, Pelé e Edu.
Comunista assumido e dono de uma curta paciência, comandou a emoção dos brasileiros por alguns anos. Passou a ser visto como ameaça ao governo. Sua tática esportiva era avaliada pela Comissão de Desportos do Exército antes de ser colocada em prática.
Saldanha não chegou à Copa do Mundo do México em 1970. Foi substituído três meses antes do Mundial pelo velho lobo Mário Jorge Zagalo. A história diz que Saldanha foi substituído à pedido de Emílio Garrastazu Médici, presidente do país. Cabe lembrar um pouco da história: o Brasil era dominado pelos militares que calibravam na repressão contra a expressão popular. Anos depois vivíamos aquilo que ficou conhecido de “milagre econômico”. O futebol, como ópio do povo, deveria trazer o que o brasileiro queria, ou seja, era dado o pão e o circo para que a festa escondesse a realidade feita nos porões da ditadura. Saldanha teria sido trocado por Zagallo por não querer ouvir o presidente da república sobre qual escalação seguir.
João Saldanha morreu em 1990 em Roma, durante a Copa do Mundo da Itália. Estava na Europa como comentarista da Rede Manchete. Poucos jornalistas, como ele, conseguiram a façanha de comandar toda a emoção de uma nação brasileira.

LEIA MAIS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

4 × quatro =