UPA Vila Cristina se torna o 2º Ponto Estratégico

A ampliação de Pontos Estratégicos é devido a necessidade do rápido atendimento (Foto: Divulgação)

A UPA Vila Cristina passou a ser um Ponto Estratégico (PE) para atendimento às vítimas de acidentes graves por escorpião. Até então, a Santa Casa de Piracicaba era o único hospital da região e um dos sete hospitais que integram o DRS-10 (Departamento Regional de Saúde), que atuam como Centro de Referência no atendimento às vítimas de picadas de animais peçonhentos, entre eles o escorpião, e aplicação do soro antiescorpiônico para os casos mais graves.

No entanto, diante do aumento do número de acidentes envolvendo escorpiões e após a finalização do Plano Regional de Atendimento às Vitimas de Acidentes por Escorpiões (Elaborado em 2019), que prevê a implantação de quatro novos PE (Pontos Estratégicos) o DRS-10 e GVE-20 solicitaram à Santa Casa um programa de capacitação para profissionais de saúde que atuam em outras cidades e que compõem a Regional.

O motivo, segundo a diretora do GVE-20 (Grupo de Vigilância Epidemiológica), Ana Maria Feijó, seria a implantação de quatro novos pontos de atendimento na região para melhor atender os mais de 1,5 milhão de habitantes das 26 cidades que compõem o DRS-10.Além da UPA da Vila Cristina, o atendimento passará a ser feito também pela UPA de São Pedro, UBS 24 horas de Ipeúna e unidade de saúde de Itirapina. Com o início do atendimento da UPA da Vila Cristina, o município passa a contar com dois locais para atendimento aos casos graves de picadas de escorpião.

As crianças de 0 a 10 anos compõem o grupo de maior risco no acidente escorpiônico e devem ser encaminhadas diretamente para a Santa Casa ou UPA Vila Cristina. O Plano Regional de Atendimento às Vitimas de Acidentes por Escorpiões tem como uma das prioridades o atendimento às crianças menores de dez anos e idosos, que devem ser levados diretamente no PE em até 50 minutos do momento do acidente.

Em entrevista anterior, o diretor da Vigilância Epidemiológica de Piracicaba, Moisés Taglieta, informou que os estudos têm sido realizados desde 2018, quando se constatou essa necessidade. “Os novos pontos foram pensados estrategicamente para cobrir toda a regional. Nossa preocupação é o aumento de registros a cada ano”, disse Taglieta ao reportar os dados da Vigilância Epidemiológica, que mostram que em 2019 foram registrados 1.398 casos de picadas de escorpião em residentes de Piracicaba. Desse total, 82% ocorreram na zona urbana.

Na Santa Casa, os atendimentos também têm apresentado aumento significativo nos últimos três anos. Em 2017 foram atendidas 153 pessoas vítimas de picada de escorpião, em 2018 esse número foi de 263 e em 2019, foram 373 pessoas.

Fernanda Moraes