Vereador defende ‘tratamento imediato’ em Piracicaba a exemplo de Chapecó

Vereador se reuniu com autoridades da cidade do Sul/Divulgação

O vereador Paulo Campos (Podemos) vai propor ao prefeito Luciano Almeida (DEM) e ao secretário de Saúde, Filemon Silvano, a implantação, em Piracicaba, das medidas adotadas pela cidade de Chapecó (SC), no enfrentamento da pandemia de covid-19.  O parlamentar visitou o município do Sul, no último final de semana, onde conheceu as práticas desenvolvidas pelo município, entre elas o tratamento imediato. “Testou, positivou, medicou”, afirmou Campos ao explicar a testagem, diagnóstico e medicação contra a covid-19 na cidade anfitriã.

Com população estimada em 224.013 habitantes (dados do último Censo), Chapecó chegou a 5,5 mil positivados com o novo coronavírus no início de março e mais de 350 internações nas UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) e enfermarias dos hospitais públicos e privados.

Após a criação do modelo de gestão, segundo Campos, os índices caíram para a média de 350 ativos e houve redução em mais de 60% nos internados, conforme dados informados pela prefeitura do município ao vereador piracicabano.

O parlamentar foi recebido pelo prefeito João Rodrigues (PSD) e pelo secretário de Saúde, Luiz Carlo Balsan. “Fui conhecer o trabalho porque vários representantes de municípios brasileiros têm visitado Chapecó para entender a dinâmica das iniciativas”, contou.

Campos disse que Chapecó conta com seis pontos de testagem rápida, entre eles o ginásio de esportes e o salão da igreja católica do bairro Universitário, sendo os demais localizados em bairros estratégicos.

“A cidade sofreu muito na primeira onda da doença, mas conseguiu se planejar e reverter o quadro. Eles adotaram um sistema que realmente funciona. Qualquer munícipe pode fazer o teste rápido e há estoque para 50 mil testagens”, informou o vereador. No ginásio de esportes foi montado o Centro Especializado em Reabilitação Pós-Covid, com profissionais especializados para tratar os pacientes que venceram a doença, mas que ficaram com sequelas respiratórias, motoras e de saúde mental.

O local conta com fisioterapeuta, fonoaudiólogo, psicólogo, terapeuta ocupacional, nutricionista e educador físico. Campos disse que vai se reunir com o prefeito e o secretário de Saúde na próxima terça-feira (11) para expor a experiência de Chapecó.

Beto Silva

[email protected]

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

7 + quatro =