Vereadora discute cotas e atuação da mulher na política

Segundo Nancy, em 25% das Câmaras municipais não há mulheres. Nos campos federal e estadual, as mulheres ocupam cargos em 25% no Distrito Federal, sendo o maior número e, em menor, no estado do Espírito Santo com apenas 8,6% da participação na política. (Foto: Divulgação/Sidnei Jr)

Com o tema “Mulheres nos espaços de poder e decisão: política, trabalho e empoderamento feminino”, a palestra foi oferecida pela Escola do Legislativo da Câmara de Vereadores de Piracicaba. O evento ocorreu na última quinta-feira (3). A vereadora Nancy Thame (PSDB) abordou as cotas eleitorais e a participação da mulher na política. Ela informou que 51,7% da população política é composta pelo público feminino, sendo que as mulheres representam 44,27% das filiações nos partidos políticos.

Segundo Nancy, em 25% das Câmaras municipais não há mulheres. Nos campos federal e estadual, as mulheres ocupam cargos em 25% no Distrito Federal, sendo o maior número e, em menor, no estado do Espírito Santo com apenas 8,6% da participação na política. Os dados são do Mapa Mulheres na Política 2019, do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).



A partir de pesquisas, Nancy Thame apontou que o Brasil ocupa o penúltimo lugar, com 4,9% com mulheres em ministérios, apenas perdendo para as Ilhas Virgens Britânicas, com 0%. A parlamentar garante que o Brasil sofre com o desafio de envolver mais mulheres na política e nos partidos, em condições mínimas de igualdade.

A vereadora apresentou um comparativo de dados dos anos de 2014 e 2018. Assembleias estaduais têm apenas 35% da presença feminina. Em São Paulo, de 94 cadeiras, apenas 18 são ocupadas por mulheres. No Mato Grosso do Sul, de 24 cadeiras, nenhuma é ocupada pelo sexo feminino. Além disso, ela relatou que a situação era tão precária, que esses locais não tinham banheiro para as mulheres.

Das eleitas para o Governo do Estado, apenas uma ocupa o cargo, no Rio Grande do Norte, a governadora Fátima Bezerra (PT). Dentro da etnia, apenas 3% são mulheres negras, sendo as mais discriminadas, segundo a parlamentar. O próximo encontro do ciclo ocorrerá no dia 17 de outubro, das 9h às 17h. Serão abordados os perfis profissionais.

Da Redação