Violência doméstica pode ser denunciada em farmácias

Campanha luta contra a violência doméstica | Foto: Amanda Vieira/JP

A recém-criada campanha promovida pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça) e pela AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros), na qual Piracicaba está engajada, incentiva as vítimas de violência doméstica a denunciarem agressões nas farmácias. A intitulada ‘Sinal Vermelho contra a Violência Doméstica’ sugere que mulheres mostrem um X vermelho na palma da mão para que o atendente ou o farmacêutico entenda tratar-se de uma denúncia e em seguida acione a polícia e encaminhe o acolhimento da vítima.

As 30 unidades da Rede Drogal em Piracicaba são pontos de denúncia da campanha Sinal Vermelho contra Violência Doméstica na cidade. Segundo informa a assessoria da imprensa, centenas funcionários locais passaram por treinamento para entender os detalhes, orientações técnicas, protocolos e, principalmente, a importância de receber a vítima com segurança e discrição.

A dinâmica isenta o atendente de prestar depoimento sobre o envolvimento na denúncia, tendo em vista que não presenciaram a violência. “São apenas o meio para que a vítima consiga realizar a denúncia”, ressalta a Drogal, e a mulher é quem decide se dará ou não queixa contra o agressor na polícia, que será chamada imediatamente ao local.

Na Câmara de Vereadores de Piracicaba, a violência doméstica é assunto recorrente no trabalho da Procuradoria da Mulher, que conta com as duas parlamentares do Legislativo, Nancy Thame e Adriana Nunes. “Ações em conjunto sempre são mais efetivas. Na próxima terça-feira termos uma reunião para debater sobre o assunto”, Disse Nancy.

A presidente do Conselho Municipal da Mulher, Carolina Angelelli, disse que o órgão acompanhará a campanha. Ela, no entanto, faz ressalvas ao que diz respeito à forma que se dá o acolhimento da mulher, segurança dela contra o agressor, condições de reabilitação às vítimas de violência que dependiam financeiramente do companheiro, além de prioridade para vagas em creches e a cursos profissionalizantes.

Erick Tedesco