Você sente frio? Seu pet também

Quando o inverno chega é hora de tirar os casacos do armário, remexer nas botas guardadas na sapateira e mandar as cobertas direto para a máquina de lavar. Todos esses cuidados humanos também devem ser adaptados aos pets, que também são mais suscetíveis a resfriados e outras doenças respiratórias típicas do frio.

A veterinária Amanda de Souza, da clínica Vetpet Patinhas, indica que o próprio sol pode ser um aliado para esquentar os bichinhos. “Se estiver frio para nós, também estará frio para eles. Mantas e roupas apropriadas são indicadas no inverno, principalmente para os animais de pelo curto”, afirma. “Reserve um local que pegue sol para que ali fiquem as camas e casinhas, pois assim ficarão mais aquecidos. Escolha os horários mais quentes do dia para a realização de banhos, principalmente em filhotes e idosos”.

As roupas para animais são as medidas mais práticas para aquecê-los, mas nem todos aceitam usá-las, principalmente no caso dos gatos. A saída para esses pets é tornar o local de repouso o mais quente e aconchegante possível. “O uso de cobertores e bolsas térmicas nas camas e casinhas ajudam a aquecê-los. Alguns felinos podem preferir caixas de papelão como tocas, logo, o próprio material atua como isolante térmico”, explica a veterinária.

Tremores e lentidão ao caminhar estão entre os sintomas de hipotermia, alerta a veterinária Amanda de Souza. (Foto: Amanda Vieira/JP)

O PET RESFRIOU

É importante ficar atento a alguns sinais que o animal pode dar de que algo não vai bem, o que pode representar doenças respiratórias típicas de cães e gatos.

Se o seu animal não apresenta vontade de se alimentar e parece mais sedentário do que o normal, uma avaliação profissional pode ser necessária. “Inquietude, tremores, lentidão ao caminhar, falta de apetite e procura por lugares quentes para cavar podem ser sintomas de hipotermia”, alerta Amanda. “Já os sintomas de traqueobronquite (tosse dos canis) lembram os da gripe humana, como febre, apatia, tosse, coriza e espirros”.

Nos gatos, alertas como espirros, coriza nasal e ocular podem indicar rinotraqueite, uma doença viral que acomete as vias aéreas superiores do felino. Tanto a traqueobronquite quanto a rinotraqueite podem ser evitadas com a vacinação, portanto mantenha a carteirinha do seu animal em dia.

Lembre-se de não medicar o bicho sem orientação médica, para não piorar o quadro ainda mais. “Gripes mal tratadas em animais podem evoluir e avançar para uma infecção bacteriana secundária, como a pneumonia”, ressalta a especialista. “Não são recomendados tratamentos caseiros. O melhor é levar o pet ao médico veterinário, pois o animal será medicado adequadamente, evitando a progressão da doença”.

Mariana Requena