Atualmente, 28 famílias recebem apoio dos voluntários da Vaccip. (Crédio: Claudinho Coradini/JP)

Independente da idade, a notícia de um diagnóstico de câncer não é bem-vinda. Pensando em meios para conscientizar e mobilizar as pessoas na prevenção contra essa doença, o UICC (União Internacional para o Controle do Câncer) e a OMS (Organização Mundial da Saúde) estipularam o dia 4 de fevereiro como o Dia Mundial do Câncer.

Em Piracicaba, há quase 18 anos, a Vaccip (Voluntários em Ação Contra o Câncer Infantil de Piracicaba) luta contra o câncer com a distribuição mensal de cestas básicas, leite e suprimentos para famílias carentes com crianças diagnosticadas com câncer. Também são oferecidos, quando necessário, auxílio para aquisição de medicamentos e assistência psicológica.

Para marcar o Dia Mundial do Câncer, no sábado (1), a Vaccip aproveitará a entrega das cestas básicas para as famílias para celebrar seus 18 anos de atuação, que completam em 21 de fevereiro.

As famílias atendidas pela Vaccip são encaminhadas pelo Hospital Boldrini. Após entrevista e uma visita dos voluntários, a entidade analisa a necessidade de cada uma para atendê-la.

Atualmente, são 28 famílias que recebem o apoio. Segundo levantamento da associação, uma criança atendida consome 80 litros de leite por mês. Mensalmente são entregues 16 cestas básicas completas.

Para realizar suas atividades, a Vaccip arrecada recursos por meio de campanhas e doações de alimentos ou quantias em dinheiro. “O nosso [principal] recurso é o bingo, toda quinta-feira começa duas horas [da tarde]. Temos em média 40 senhoras que vêm e são assíduas. […] É um trabalho que parece ser uma raiz que vai se abrindo, abençoado”, conta Sueli Rodrigues Rabaldelli, 64, presidente da Vaccip.

 

Apesar de terem mantimentos, sempre há a necessidade de doações à entidade. (Crédito: Claudinho Coradini/JP)

Outro recurso da entidade são os voluntários, que hoje contam 28 pessoas que doam tempo e talento no fogão, na organização dos alimentos ou em acompanhar o bingo no salão. “Aqui […] tanto eu como minha namorada, a gente convive diariamente com as famílias. […] É uma lição de vida você ver essas crianças, ver a forma que elas lutam para viver”, conta Francisco de Assis Esturion, 38, voluntário há nove anos na Vaccip.

Para os voluntários, a fé também ajuda a superar os limites e contribuir com cada atendido. “Para mim, foi impactante quando chegou uma criança de oito meses no colo da mãe […] e eu fui acompanhando. A gente leva aquele impacto, mas a gente ajuda de uma forma e oração. O que a gente pode fazer é oração”, enfatiza Sueli.

Outro ingrediente que os voluntários usam na luta conta o câncer é a alegria, por meio da parceria com o grupo de palhaços Semeadores de Alegria. “Quando nós fazemos a festa aqui que eles vêm com a família […] pequenas brincadeiras e você vê eles ficarem tão felizes, mesmo estando doente, pulando de alegria. Isso deixa a gente fortalecido”, Sueli lembra.

“O importante, para mim, é o amor com as crianças, a família que a Vaccip é. Todas trabalhamos na equipe de segunda, terça e quarta em harmonia, é gratificante para mim, com a minha idade, eu ter onde vir passar essas horas trabalhando e me doando”, conta Luiza Ferreira da Silva, 75 anos, voluntária há 17 anos e meio.

A Vaccip fica na rua Capitão Humberto Aldrovandi, 872, no Jardim Monumento. O telefone para contato é o (19) 3371-6344, ou o e-mail [email protected]

 

Andressa Mota

[email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

4 + oito =