Voluntários planejam viagem missionária em Minas Gerais

Um grupo de 43 piracicabanos vão até tribo indígena em missão social. (Foto: Fernanda Moraes/JP)

No próximo dia 14, um grupo de 43 voluntários, entre membros da igreja Casa de Oração, dentistas e enfermeiros de Piracicaba, parte em uma viagem missionária rumo ao Vale do Mucuri (MG), próximo ao Vale do Jequitinhonha.

Os destinos da missão são a Aldeia Verde e o Quilombo Corvina, duas comunidades do nordeste mineiro. A aldeia indígena é povoada pela tribo maxacali e os quilombolas são remanescentes de escravos que trabalhavam em terras da região.



De acordo com Assafe Rodrigues, um dos organizadores da missão, o objetivo é levar atendimento na área social e médica e evangelizar essas comunidades. Ele destacou que as famílias enfrentam falta de infraestrutura, problemas na área de saúde, educação e habitação. “Mucuri é considerada uma das regiões mais pobres do país”, disse.

Para viabilizar o projeto, os voluntários contam com doações de alimentos, produtos de higiene pessoal e roupas, além de dinheiro. Nos dias 3 e 10, haverá plantões para recebimento de doações, na sede da igreja Casa de Oração (rua Visconde do Rio Branco, 2105). Os voluntários também vão receber doações nas segundas-feiras 4 e 11, também na igreja, das 8h às 17h. “Estamos contando com as doações da população e dos empresários interessados em nos ajudar”, afi rmou Rodrigues.

Os voluntários pretendem também realizar um senso demográfi co para levantar dados sobre os habitantes das duas comunidades, conforme explicou Samuel Oliveira, outro organizador da missão.

Ronaldo Bispo, que também atua na organização do trabalho, contou que um grupo de pessoas da igreja localizada Muriaé, cidade mineira a 300 quilômetros das aldeias, faz visitações periódicas e informou sobre as principais necessidades das populações.

Ele e Rodrigues viajaram até as aldeias e documentaram a vida nas comunidades. “Fomos até o local para registrarmos a situação e mostrar para a igreja”, contou Bispo que também é cinegrafi sta.

O trabalho do grupo deve atingir cerca de 600 pessoas, sendo 200 crianças de zero a 13 anos de idade. Os voluntários receberam treinamento e informações sobre a necessidade de tomar vacina contra a febre amarela.

Entre os desafios do grupo está o trabalho com os indígenas sobre alcoolismo, mal que atinge grande parte dos moradores.

As pessoas interessadas em fazer doações podem entrar em contato com Samuel Oliveira pelo telefone (19) 9.97155-0617.

Beto Silva
[email protected]