Zoonose orienta sobre escorpiões

Espécie amarela, comum na região, causa graves acidentes Foto: Claudinho Coradini/JP Espécie amarela, comum na região, causa graves acidentes Foto: Claudinho Coradini/JP

Até 20 de março, o clima quente e úmido, típicos da estação do verão, colabora para a procriação dos temidos escorpiões. Em 2017, Piracicaba registrou 1.002 casos de acidentes com escorpiões. Os números referentes ao ano passado ainda não foram fechados e os cuidados e recomendações em relação ao aracnídeo devem ser mantidos. Ainda em 2017, somente na Santa Casa de Piracicaba foram atendidas 151 pessoas picadas por escorpião e em 2018, foram 167 casos.

De acordo com o CCZ (Centro de Controle de Zoonoses), o verão e as fortes chuvas da estação aumentam o risco de acidentes provocados pela picada de escorpiões, período no qual os aracnídeos são desalojados pelas cheias de seus habitats, invadindo espaços domésticos. “Pedimos à população que mantenha sempre os ralos fechados, já que são a principal via de acesso das galerias de esgoto aos imóveis, embora também possa haver escorpiões fora, em terrenos com mato alto, entulhos”, orienta Regina Lex Engel, bióloga do CCZ.

Segundo a bióloga, quem mora próximos a bueiros – aqueles com tampa redonda de ferro – deve solicitar dedetização de baratas, que são o principal alimento dos escorpiões, por meio do 156.

Segundo dados do Ipplap (Instituto de Pesquisas e Planejamento de Piracicaba), em 2016 e em 2017, as regiões Norte e Sul lideraram as ocorrências com escorpiões. Mas eles podem ser encontrados em qualquer região. Debora Camila Rodrigues encontrou um filhote de escorpião em um imóvel no Centro. “Ao lado do imóvel tem um barracão abandonado e imagino que isso contribuiu para o problema. Coloquei o escorpião em um vidro com álcool, para entregar ao CCZ”, conta.

O secretário municipal de Saúde, Pedro Mello, alerta para a necessidade de saber se prevenir em relação aos escorpiões. “Os escorpiões existem e temos de aprender a conviver com eles de maneira segura. Isso requer alguns cuidados básicos, como manter os ralos fechados, o quintal limpo, retirar entulhos, evitar pilhas de telhas e madeiras, corrigir frestas nas paredes e verificar roupas e calçados antes de usá-los”, observa.

A Secretaria de Saúde orienta à população, em caso de acidentes, a procurar uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) mais próxima. “Quando existe uma sintomatologia mais grave é dado o primeiro atendimento na UPA e, caso ocorra a necessidade, o paciente é encaminhado à Santa Casa de Piracicaba, referência em administração do soro antiescorpiônico em nossa região”, afirma a coordenadora das Urgências e Emergências, Flávia de Sá Molina.

 

Eliana Teixeira